Mais de mil ocorrências na terça-feira devido à depressão Bárbara

Faro foi o distrito mais afectado pelo mau tempo. Ocorrências incluem inundações de superfícies por causa da chuva intensa, assim como quedas de árvores e de estruturas devido ao vento forte.

A Protecção Civil contabilizou 1016 ocorrências em Portugal continental entre a meia-noite e as 23h47 desta terça-feira, provocadas pela passagem da depressão Bárbara, e Faro foi o distrito mais afectado pelo mau tempo.

As ocorrências foram, maioritariamente, inundações de superfícies por causa da chuva intensa, assim como quedas de árvores e de estruturas devido ao vento forte. De acordo com fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), 238 das situações aconteceram no distrito de Faro, o mais afectado pelo mau tempo. 

O distrito de Setúbal foi o segundo mais afectado pela passagem da depressão Bárbara, com 155 ocorrências contabilizadas, seguido pelo de Lisboa (154) e pelo de Portalegre (107).

A ANEPC disse também que, à semelhança de segunda-feira, não há informações sobre vítimas ou infra-estruturas danificadas com severidade. Na segunda-feira, a Protecção Civil contou 510 ocorrências até às 23h59.

A depressão Bárbara atravessou o continente português durante a tarde desta terça-feira, tendo-se verificado chuva intensa em oito distritos e vento forte em todo o território nacional, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em comunicado divulgado ao início da tarde, o IPMA revelou que, de acordo com as previsões mais actualizadas, a depressão Bárbara deveria manter a trajectória inicialmente considerada, chegando à região espanhola da Galiza no final do dia.

Devido à previsão de mau tempo, a ANEPC lançou um alerta à população e recomendou a adopção de comportamentos adequados à situação meteorológica.

De acordo com o IPMA, os distritos de Lisboa, Setúbal, Beja, Santarém, Évora, Castelo Branco e Portalegre estiveram sob aviso vermelho entre as 12h e as 18h devido à previsão de chuva intensa e vento forte.

O aviso vermelho corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo. Nesta situação, o IPMA recomenda que as pessoas se mantenham ao corrente da evolução das condições meteorológicas e sigam as orientações da Protecção Civil.

O IPMA alertou ainda que se prevê a possibilidade de localmente ocorrerem fenómenos extremos de ventos.

Quanto à agitação marítima, até quarta-feira será de sudoeste com dois a 3,5 metros em toda a costa, temporariamente entre quatro e 4,5 metros a sul do Cabo da Roca, passando a ser de noroeste durante quinta-feira.

Os efeitos previstos da passagem da depressão Bárbara por Portugal continental são precipitação forte, aumento da intensidade do vento com rajadas até 100 quilómetros por hora e até 130 quilómetros por hora nas terras altas e agitação marítima, em especial na costa da região Sul.

Capitania do Funchal mantém aviso de forte agitação marítima

A capitania do Porto do Funchal cancelou esta terça-feira os avisos de temporal e má visibilidade para o mar da Madeira, mantendo o de forte agitação marítima até ao final da tarde de quarta-feira.

Na informação divulgada, a autoridade marítima regional, tendo por base as previsões do IPMA, aponta que a visibilidade pode ser ainda “por vezes fraca” e que o vento vai soprar “por vezes muito fresco a partir do meio da manhã” de quarta-feira.

O aviso da agitação marítima forte está activo até às 18h de quarta-feira. Sobre a ondulação, é indicado que na costa norte as ondas serão de oeste/noroeste de quatro metros, diminuindo para os dois/três metros. Na parte Sul da ilha, as ondas de sudeste vão reduzir gradualmente a altura de três para dois metros.

A capitania continua a recomendar que “os proprietários ou armadores das embarcações tomem as devidas precauções para que estas permaneçam nos portos de abrigo”.

Sugerir correcção