Covid-19: Alunos de duas turmas de uma escola na Madeira estão em isolamento

Mãe de aluno não respeitou isolamento profilático quando viajou do Porto para a Madeira. Jovem ficou infectado e os alunos de duas turmas foram mandados para casa.

Foto
Tiago Lopes

Os alunos de duas turmas de uma escola da Madeira estão em isolamento depois de um aluno de do 9.º ano ter testado positivo à covid-19. O caso, o primeiro ocorrido em contexto escolar na região autónoma, aconteceu na Escola Básica 1,2,3/PE Bartolomeu Perestrelo, no Funchal, e foi originado, segundo o governo madeirense, pelo incumprimento das normas de isolamento de um familiar (a mãe) do jovem. Em causa estarão cerca de 40 alunos. 

Trata-se, explicou a Secretaria Regional de Educação em comunicado, de um caso detectado na sequência de um teste positivo de um familiar que, contrariando todas a normas e recomendações, não respeitou o isolamento a que se devia ter sujeitado até confirmação do resultado do teste realizado no aeroporto após regresso da cidade do Porto.

O governo madeirense tem, desde 1 de Julho, data em que os aeroportos do arquipélago reabriram após o confinamento, uma estrutura de rastreiro ao novo coronavírus, com testes gratuitos a todos os passageiros que desembarcam. O resultado do teste é conhecido, em média, em 12 horas, período em que os passageiros são aconselhados a permanecer em isolamento.

“A Secretaria Regional de Educação volta a apelar à rigorosa observância das normas e recomendações da autoridade de saúde e dos procedimentos dos planos de contingência das escolas, sob pena da segurança colectiva ser posta em causa por actos de irresponsabilidade individual”, acrescenta o comunicado, emitido domingo, no final do dia, depois de o aluno ter testado positivo.

O jovem, segundo o boletim epidemiológico diário do Instituto de Administração da Saúde (IASaúde), frequentou a escola quarta e quinta-feira passada, tendo sido identificados 31 contactos, 12 dos quais próximos. O IASaúde recomendou a “restrição às aulas” da turma do aluno, mas a direcção executiva da escola foi mais longe.

“Nas conversas que tivemos, detectamos que existiu o contacto próximo do aluno em causa com três colegas de outra turma. Assim, e no cumprimento do nosso plano de contingência, decidimos colocar essa turma também em quarentena”, disse ao PÚBLICO o presidente do conselho executivo da Bartolomeu Perestrelo, Gualberto Soares.

“Queria destacar o ambiente de serenidade em toda a comunidade educativa, mesmo entre os encarregados de educação das duas turmas afectadas”, acrescentou Gualberto Soares, precisando que são cerca de 40 alunos em quarentena, para os quais a escola está a preparar respostas ao nível do ensino à distância.

Outra turma em casa

Além destas duas turmas de 9.º ano, praticamente a totalidade dos alunos de uma terceira turma “de um ciclo de ensino diferente”, também não ficou em casa esta segunda-feira. “A maioria dos pais informou a direcção de turma dessa opção. Estão nesse direito”, desvalorizou Gualberto Soares, garantindo que a escola está a funcionar normalmente. 

Todos os professores que estiveram em contacto com essas duas turmas estão a leccionar. Apenas a docente de Educação Física, que teve maior proximidade com a turma donde está o aluno infectado, optou por fazer um teste que deu negativo.

“Os professores dão aulas de máscara, mantém a distância, higienizam com frequência as mãos. É o normal, e vão continuar a fazê-lo”, justifica o responsável pela escola que conta com 750 alunos. Logo que foi conhecido o teste positivo do aluno, este domingo, os directores de turma contactaram os encarregados de educação das duas turmas, informando-os que deverão, por prevenção, ficar em casa entre uma a duas semanas.

Desde o início da pandemia, a Madeira registou 320 casos confirmados de covid-19. Destes, 101 estão activos.