Torne-se perito

Filhos de mães diabéticas têm pressão arterial mais elevada durante a infância

Estudo acompanhou 586 grávidas com diabetes (a grande maioria com diabetes gestacional) e avaliou as crianças em três momentos diferentes: aos quatro, sete e dez anos de idade.

hipertensao-arterial,gravidez,diabetes,saude,ciencia,
Foto
Paulo Pimenta

Investigadores da Faculdade de Medicina do Porto (FMUP) concluíram que as crianças expostas à diabetes das mães durante a gravidez apresentam valores de pressão arterial mais elevados, o que potencia o risco de desenvolverem hipertensão na vida adulta.

“Percebemos que as crianças expostas à diabetes in utero apresentam uma trajectória de pressão arterial sistólica mais acelerada, e que aos dez anos têm uma pressão arterial sistólica e diastólica mais elevada em comparação com as crianças não expostas”, afirma, em comunicado, Joana de Oliveira Miranda, uma das autoras deste estudo, publicado na revista Hypertension.

A investigadora e professora da FMUP esclarece que “a exposição a determinados factores na vida intra-uterina conduz a alterações na estrutura e função do sistema cardiovascular, que perduram até à vida adulta”.

Embora seja reconhecida a associação em adultos, ainda são poucos os dados que relacionem a diabetes das mães com a hipertensão dos filhos na infância. Nesse sentido, a equipa de investigação procurou perceber o impacto que a exposição à diabetes no período intra-uterino tem nas trajectórias de pressão arterial durante os primeiros anos de vida.

Os investigadores apontam o período perinatal e a primeira infância como janelas de oportunidade para intervenções que possam modificar o impacto da exposição à diabetes nas crianças. “Mesmo aumentos ligeiros da pressão arterial podem ter importantes implicações para a saúde dos indivíduos”, conclui Joana de Oliveira Miranda, que assinou o artigo científico “Maternal Diabetes Mellitus as a Risk Factor for High Blood Pressure in Late Childhood” em conjunto com os investigadores Rui João Cerqueira, Henrique Barros e José Carlos Areias.

A investigação acompanhou 586 grávidas com diabetes (a grande maioria com diabetes gestacional) integradas na coorte Geração 21, e avaliou as crianças em três momentos diferentes: aos quatro, sete e dez anos de idade. Durante o mesmo período, as crianças expostas à diabetes apresentaram também um índice de massa corporal (IMC) significativamente maior do que aquelas que não haviam sido expostas.

Sugerir correcção