Costa diz que obrigatoriedade do uso de máscara é mais restritiva do que a aplicação

Secretário-geral do PS e primeiro-ministro assegura que a polícia não vai fazer operações STOP para pedir para ver o telemóvel.

António Costa
Foto
António Costa Nuno Ferreira Santos

António Costa afirmou neste sábado que acha mais restritivo da liberdade o uso de máscara de protecção pessoas do que ter a aplicação StayAway Covid.

“Não vale a pena fazermos um drama dessa matéria. Eu pessoalmente até considero que é mais restritivo das liberdades o uso da máscara, que teve um consenso total, de que ter uma aplicação, que eu tenho desde o dia 1 de Setembro, em que nunca me senti incomodado ou limitado. Com a máscara não só me sinto incomodado, como me sinto limitado”, afirmou o primeiro-ministro numa entrevista a jornalista Maria Elisa e transmitida no Facebook do PS.

Costa deu uma longa explicação sobre o funcionamento da aplicação, garantindo várias vezes que em nada restringe as liberdades, e lembrou que uma possível obrigatoriedade só se aplica a alguns cidadãos: “O que dissemos é que a obrigatoriedade é ambiente laboral, na escola, no meio académico, dentro das forças de segurança e das Forças Armadas. As pessoas estão muito juntas e são indispensáveis.”

O secretário-geral do PS afirmou ainda que o “desconhecimento sobre a aplicação” terá sido “o que provocou grande parte da reacção”, mas acrescentou que já houve um ganho com a polémica. “Há um ganho enorme que já tivemos: as pessoas voltaram a estar alerta para a necessidade de, através dos seus comportamentos, travarem a expansão da pandemia”, acentuou

Afirmou ainda que a “a polícia a fazer operações stop, a pedir para abrir a mala ver o telemóvel” é coisa que “não vai existir, não faz sentido e nem sequer está previsto.

António Costa admitiu que pode ter comunicado mal quando anunciou o decreto-lei, o que terá levado algumas pessoas a não perceberem o que estava em causa.

Sugerir correcção