Frederico Morais garante o título nacional de surf

O surfista de Cascais assegurou neste sábado na praia do Guincho a conquista da Liga Meo Surf e sagra-se campeão nacional pela terceira vez.

frederico-morais,modalidades,desporto,surf,
Foto
LUSA/CARLOS BARROSO

À partida para a quinta e última etapa da Liga Meo Surf, a principal prova da modalidade em Portugal e a que decide os títulos nacionais, havia três candidatos ao título, mas tudo ficou decidido na meia-final da Bom Petisco Cascais Pro, que terminou neste sábado na praia do Guincho: após o afastamento de Afonso Antunes na segunda ronda, Frederico Morais eliminou Vasco Ribeiro e, com a presença na final, garantiu o título nacional.

Após quatro etapas equilibradas, onde Frederico Morais venceu na Figueira da Foz, Afonso Antunes na Ericeira e Vasco Ribeiro em Sintra e em Matosinhos, os três surfistas chegaram à praia do Guincho com hipóteses de conquistar o título nacional e a dependerem apenas deles próprios.

Líder da classificação da Liga MEO Surf 2020 até à última etapa, o jovem Afonso Antunes acabou por ser o primeiro a ficar fora da corrida pelo título. O detentor da licra amarela no Guincho, de apenas 17 anos, foi superado por Luís Perloiro e Gony Zubizarreta na segunda ronda e ficou praticamente sem hipóteses de vencer o circuito: bastava Frederico Morais ou Vasco Ribeiro chegarem à meia-final para superarem Antunes na classificação.

E foi isso que aconteceu. Vasco e Kikas foram ultrapassando as suas rondas no Guincho e, ao início da tarde deste sábado, decidiram o título num frente-a-frente nas meias-finais, onde Frederico Morais (13.5 pontos) levou a melhor no duelo com Vasco Ribeiro (10.65).

Com o seu terceiro título já garantido (os anteriores tinham sido em 2013 e 2015), Kikas, que aproveitou a ausência de competição no World Tour em 2020 para competir no circuito nacional, acabou por não perder a oportunidade de conquistar a segunda etapa na Liga Meo Surf, superando Luís Perloiro na final do Cascais Pro .

No final da etapa, Frederico Morais admitiu que apesar de ter sido um 2020 “sem muitas competições”, acabou por ter “um ano muito positivo”. “Foi uma óptima Liga para mim, acima de tudo consistente, com duas finais e três meias-finais. Não podia estar mais feliz por ganhar em casa e sagrar-me campeão nacional neste ano tão atípico. Deixo um grande obrigado à World Surf League por me deixar competir na Liga MEO e a todos que fizeram um esforço enorme para que isto pudesse acontecer”, concluiu Kikas.

Na competição feminina, Teresa Bonvalot chegou ao Guincho com o título nacional já garantido mas, a surfar também em casa, não deixou fugir a oportunidade de vencer quatro das seis etapas do circuito feminino. A surfista de Cascais derrotou na final Gabriela Dinis.

Sugerir correcção