PSD propõe uso de máscaras na rua por quatro meses

Projecto de lei não faz referência à aplicação móvel Stay Away Covid. Também a deputada Joacine Katar Moreira propõe a eliminação da alínea do projecto de lei do Governo que defende a obrigatoriedade da instalação da aplicação.

Rui Rio defende que uso de máscaras na rua deve ser temporário
Foto
Rui Rio defende que uso de máscaras na rua deve ser temporário LUSA/FERNANDO VELUDO

O projecto de lei do PSD propõe a obrigatoriedade do uso de máscara ou viseira nas vias públicas por um período de 120 dias. A iniciativa não tem qualquer referência à aplicação móvel Stay Away Covid como Rui Rio tinha anunciado na quinta-feira, abrindo caminho à sua aprovação no Parlamento.

“É obrigatório o uso de máscara ou viseira a pessoas com idade superior a 10 anos para o acesso, circulação ou permanência nos espaços e vias públicas sempre que o distanciamento físico recomendado pela Autoridade de Saúde Nacional se mostre impraticável”, lê-se no projecto de lei do PSD numa formulação que é igual à da proposta de lei do Governo no que diz respeito às máscaras.

A única diferença no articulado proposto pelo PSD é o carácter temporário da medida: 120 dias, período que pode ser renovado. A duração da medida era omissa na proposta de lei do Governo. O projecto do PSD mantém também as sanções previstas no texto do Governo, isto é, coimas entre os 100 a 500 euros.

No preambulo do projecto de lei, os sociais-democratas consideram que “a sucessiva multiplicação do número de infectados e de internamentos hospitalares demonstra a insuficiência das medidas até agora determinadas pelas autoridades nacionais, justificando plenamente a adopção, necessariamente transitória, da obrigatoriedade do uso de máscaras ou viseira em espaços públicos, como forma de contenção da expansão de contágios”. O diploma do Governo é mais enxuto e não faz considerações sobre o agravamento da evolução da pandemia em Portugal, limitando-se a descrever a medida proposta.

O PSD retirou qualquer referência à obrigação no uso da aplicação para permitir que a imposição das máscaras seja aprovada na sexta-feira da próxima semana. Já a proposta de lei que pretendia obrigar a que a aplicação fosse descarregada vai baixar à comissão sem votação, seguindo-se ainda audições a personalidades e especialistas, a pedido do PS, depois de ter gerado polémica interna.

Joacine a favor do uso obrigatório de máscaras, mas sem multas

Também a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira entregou uma alteração à proposta de lei entregue pelo Governo, propondo a eliminação da obrigatoriedade da instalação da aplicação StayAway Covid.

A deputada concorda com o uso obrigatório de máscaras (ou viseiras) na via pública, sempre que não seja possível garantir a distância de segurança determinada pelas autoridades de saúde, mas propõe o aumento da idade mínima de dez para 12 anos.

No seu diploma, Joacine Katar Moreira também não faz referência à sanção e aplicação de multas a quem não respeitar a obrigatoriedade do uso de máscara na rua. “Não considero legítima a vontade do Governo em obrigar ao uso da aplicação StayAway Covid e muito menos em sancionar quem não o cumpra”, justifica a deputada Joacine Katar Moreira, em declarações ao PÚBLICO.

“De igual modo, também não me parece possível que se exija a qualquer cidadã ou cidadão que faça uso do seu equipamento pessoal como se este fosse equipamento institucional sobre o qual o Governo pode dispor”, argumenta Joacine Katar Moreira.

Para a deputada, a falha de comunicação deste projecto de lei, ainda que admita “alguma boa intenção” não só “é grave”, como abre espaço a um “mau precedente”. “As tecnologias devem ser emancipatórias e não disciplinatórias. O seu uso deve servir para aumentar e instruir a cidadania e nunca para a limitar”, conclui. com Liliana Borges

Sugerir correcção