Bacelar Gouveia investigado por suspeita de facilitar doutoramentos

Ministério Público não confirma nem desmente. Revista Sábado diz estarem em causa suspeitas de facilitar doutoramento de alunos dos PALOP.

Foto
Rui Gaudencio

O constitucionalista Bacelar Gouveia está a ser investigado por suspeitas de facilitar a atribuição de doutoramentos a alunos de alguns Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) a troco de contrapartidas, noticiaram esta quarta-feira a revista Sábado e a TVI. Indignado, o professor universitário de Direito diz nunca ter sido contactado pelas autoridades. Bacelar Gouveia irá saber nos próximos dias se entrará ou não para o Supremo Tribunal de Justiça, ao qual se candidatou como jurista de mérito.

A notícia soube-se enquanto o jurista lançava, esta quarta-feira à tarde, uma obra no Instituto Universitário Militar intitulada Direito da Segurança, evento ao qual assistiu o ministro da Administração Interna. A Procuradoria-Geral da República não confirmou a informação, mas também não a desmentiu.

Segundo a Sábado, as suspeitas remontam ao processo Tutti-Frutti, quando a Polícia Judiciária interceptou conversas telefónicas entre Bacelar Gouveia e o antigo deputado do PSD Sérgio Azevedo, seu aluno na Universidade Nova e a preparar um doutoramento. A cargo da secção do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa encarregue de combater os fenómenos criminais ligados à corrupção, o Tutti Frutti tem investigado autarcas do PS e do PSD de várias regiões do país, não tendo ainda chegado ao fim, apesar de decorridos mais de três anos sobre o seu início. Em causa está a contratação de militantes destes dois partidos através de avenças e ajustes directos, tendo Sérgio Azevedo tido, alegadamente, um papel central neste esquema.

Contactado pelo PÚBLICO, Bacelar Gouveia disse-se chocado e indignado com as notícias. “Não sei de nada. Toda a minha actividade é conhecida”, declarou, recordando que viveu em Moçambique durante dois anos, entre 1993 e 1995, e que conhece bem os PALOP.

Ainda de acordo com a Sábado, foi recebida no Conselho Superior da Magistratura uma denúncia dando conta da investigação ao também presidente do Instituto de Direito e Segurança.