Festa da Ilustração de Setúbal 2020

Já há desenhos livres na cidade

Mudam-se as datas, não se mudam as vontades. Passou de Junho para Outubro e continua a ser um encontro de talentos e de liberdade. Durante dois meses, a cidade volta a mostrar desenhos com coragem, atitude e opinião.

design,artes,local,educacao,livros,setubal,
Fotogaleria
André da Loba é o convidado contemporâneo da Festa da Ilustração de Setúbal 2020 e expõe na Casa da Cultura André da Loba
design,artes,local,educacao,livros,setubal,
Fotogaleria
André da Loba na inauguração de “Chios, Rangidos e Frufrus”, a 3 de Outubro DR
design,artes,local,educacao,livros,setubal,
Fotogaleria
Da esquerda para a direita, o vereador da Cultura de Setúbal, Pedro Pina, o cartoonista Osmani Simanca e o ilustrador André da Loba DR
design,artes,local,educacao,livros,setubal,
Fotogaleria
Aspecto da exposição “Satiricovid e Outros Desenhos de Humor”, de Osmani Simanca DR
,Pandemia de coronavírus 2019-20
Fotogaleria
Uma das imagens que se podem ver na Casa da Cultura, Espaço Ilustração Osmani Simanca
design,artes,local,educacao,livros,setubal,
Fotogaleria
Um dos bonecos de Thomaz de Mello expostos na Galeria do 11 DR
Casa D'Avenida
Fotogaleria
“Ir e Vir e Voltar (com Livros)”, exposição, oficinas e espectáculos na Casa da Avenida, até 30 de Outubro DR

Começou no princípio deste mês a 6.ª edição da Festa da Ilustração de Setúbal. Com início mais tardio e duração prolongada (Outubro em vez de Junho, dois meses em vez de um), ampliou o serviço educativo e os espectáculos musicais, utilizou novos espaços e promoveu a Feira da Festa (gráfica e de ilustração editada). É preciso fazer um desenho?

André da Loba é o convidado contemporâneo e ocupa a Galeria da Casa da Cultura, “numa exposição que foi feita como se estivesse a mostrar a sua própria vida”, segundo as palavras de José Teófilo Duarte, director de projecto da festa. “Há objectos de toda a espécie e feitio”, diz o curador da mostra, “uns acarinhados, outros recusados, em que a existência de cada um levou à de outros”. Como disse o ilustrador na inauguração de Chios, Rangidos e Frufrus, invocando Bruno Munari, “das coisas nascem coisas”. Por isso, revelou esperar que sejam “catalisadoras para outras pessoas”.

Natural de Aveiro, André da Loba vive no Porto, mas desenha para o mundo. Colabora com as publicações The New York Times, The Washington Post, Time Magazine, The New Yorker e com as editoras Letras Libres, Orfeu Negro, Kalandraka e Porto Editora, entre outras. Segundo Teófilo Duarte, o seu trabalho “parte da observação do ser humano, primeiro, e dos objectos, depois”. E lembra: “O ser humano não vive sem objectos.” Elege um desses objectos, lugar de muitas ilustrações do principal convidado desta edição: “O livro. Algo que anima a vida.”

Simanca: um soldado da ilustração

No mesmo edifício (junto à Praça do Bocage), no Espaço Ilustração, Osmani Simanca expõe a sua valentia em vários cartoons: Satiricovid e Outros Desenhos de Humor. Cubano, viveu no Brasil durante 23 anos e agora habita em Lisboa. Adora. “Assim que cheguei, senti-me em casa”, disse ao PÚBLICO. Sobre a Festa da Ilustração – É Preciso Fazer Um Desenho? e sobre Setúbal, afirma-se feliz por “ver uma cidade a dar tanta importância à cultura”. E recorda: “Eu vim do Brasil, onde a cultura, a educação, a ciência e o meio ambiente estão a ser destruídos. Chegando aqui, dá-me um alento extraordinário.”

PÚBLICO -
Foto
“Cartoon” do ilustrador cubano, que expõe na Casa da Cultura “Satiricovid e Outros Desenhos de Humor” Osmani Simanca

Por acção do regime liderado por Jair Bolsonaro, o cartoonista “foi despedido de vários meios de comunicação social, inclusive daqueles em que nem sequer fazia ilustração política”, conta Teófilo Duarte. Por isso, deu ao texto sobre a exposição de Simanca o título “A hora dos bandidos” (Jornal da Festa), “porque estamos a viver tempos em que os bandidos nos estão a governar”. Diz ainda: “Osmani está na linha da frente deste combate e merece todo o nosso respeito, consideração e solidariedade. É um soldado no domínio da ilustração.”

Desejos de Osmani Simanca: “Temos de continuar lutando contra todos esses elementos ‘fascistóides’ que estão a aparecer, seja na cultura ou na educação. Daí a importância do jornalismo, do desenho e da cultura em geral.” Quisemos saber se se imaginava a ter outra profissão. “Não. Comecei cedo. Tinha 14 anos (vou fazer 60) quando publiquei o meu primeiro desenho num jornal, em 1975. Sempre fiz jornalismo e desenho, cartoons políticos, um jornalismo gráfico. Penso graficamente. Ao desenhar, vêm-me as ideias, as imagens.” E não está cansado. “Há sempre uma preocupação, algo para denunciar. Ao passar esse problema para o desenho, sente-se logo um alívio e as pessoas identificam-se com a mensagem que se transmite. O desenho não oferece soluções, mostra problemas. São as pessoas que têm de fazer as mudanças de que necessitam.”

Simanca elogia os espaços onde as exposições têm lugar, “maravilhosos”, e destaca A Gráfica – Centro de Criação Artística, onde se pode visitar A Prata da Casa, a Ilustração Portuguesa, a Feira da Festa e assistir a concertos. No dia da inauguração, 3 de Outubro, foi possível experimentar impressões em serigrafia na Bicicleta Manifesta, do Atelier Ser, Spontaneous Art Movement.

“É possível continuar com as nossas vidas”

Segundo a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, “com esta festa, demonstramos que é possível continuar com as nossas vidas, em segurança, em respeito pelas regras sanitárias e de distanciamento social”. 

No discurso de abertura, disse ainda que não só é possível realizar eventos, como “é nosso dever insistir na sua realização, dever que mantém a nossa vontade de resistir ao medo, de fazer com que o sector cultural se reanime e que todos os que dele dependem possam trabalhar”.

Ao PÚBLICO, Maria das Dores Meira disse – no final da inauguração da exposição Os Bonecos de Tom, na Galeria Municipal do 11 – que “a festa acrescenta muito a Setúbal”. Afirmou ainda: “A ilustração é cultura, aqui conhecemos ilustradores que de outra forma não saberíamos que existiam. Foi a parceria com Teófilo Duarte, que em boa hora promoveu esta festa e trouxe ao nosso conhecimento e ao nosso convívio pessoas fantásticas que nos mostram este lado da cultura, da forma de fazer arte, seja política, estética ou através do design. Aprendi muito nestes anos.”

A mostra dos trabalhos de Thomaz de Mello, o ilustrador clássico homenageado nesta edição, tem curadoria de Jorge Silva e pode ser visitada até 28 de Novembro. O brasileiro Tom nasceu em 1906 e morreu em 1990, “uma figura marcante das artes gráficas portuguesas”, segundo o curador.

PÚBLICO -
Foto
Thomaz de Mello é o ilustrador clássico homenageado nesta edição com a exposição “Os Desenhos de Tom” Thomaz de Mello

A presidente prossegue, entusiasmada, a conversa com o PÚBLICO: “Não tinha ideia de que havia tantos ilustradores portugueses com um nível superior, de excelência, e outros que se juntaram, vindos de outros países, do Brasil, da Argentina, de Espanha, que tivemos o prazer de ter aqui em Setúbal. Fico arrepiada com a qualidade daquilo que tem vindo ao nosso conhecimento.”

Lembra que são “dez pontos de exposições”, algumas inauguradas no fim-de-semana de 10/11 de Outubro, como Futurando, que mostra trabalhos de alunos das Escolas Superiores de Artes na Casa do Largo – Pousada da Juventude, e Torpor, desenhos do confinamento, na Livraria Culsete.

Realce ainda para a parceria com a Casa da Avenida, na exposição com o título Ir e Vir e Voltar (com Livros), integrada no Programa Municipal de Educação pela Arte e Ciências Experimentais, no âmbito do PORLisboa, PT 2020 medida 10.1. Ateliers e espectáculos para a infância completam a programação deste serviço educativo, a cargo de Maria João Frade.

PÚBLICO -
Exposição “Ir e Vir e Voltar (com Livros)”, na Casa da Avenida Cortesia Misé Pê

“Não nos interessam ramos de flores”

Conclui a presidente da câmara: “De ano para ano, a festa tem aumentado muito a qualidade. Isto é também pôr Setúbal no mapa através deste tipo de actividades, da cultura, da arte. Não podemos viver sem elas. Temos informação de que os pontos já inaugurados [a 3 de Outubro] estão a ser muito visitados, muito procurados. É extremamente importante para a formação de públicos, para a formação individual de cada um de nós. Começamos a aprender e a olhar para o mundo de outra forma. Darmos este contributo é fundamental, é essencial. Estou muito feliz.”

Para José Teófilo Duarte, designer e também editor da DDLX, há que continuar “o esforço de se mostrar ilustradores nacionais e estrangeiros (de dimensão internacional) com o melhor do que se faz”. Por isso diz ser esta “uma festa em que se mostra ilustração com atitude, com coragem, com opinião. Essa é a ilustração que nos interessa. Não nos interessam ramos de flores, a não ser que esses ramos de flores queiram dizer alguma coisa e não sejam só ornamento”.

Outras exposições que podem ser vistas na cidade: Cantigas do Maio – 50 Anos, no Museu do Trabalho Michel Giacometti: instalação evocativa dos 50 anos do álbum de José Afonso Cantigas do Maio, com capa da autoria de José Santa-Bárbara; João de Azevedo, o Sexo dos Anjos, na Casa da Avenida – Galeria R/C, uma mostra de homenagem ao artista plástico, que morreu este ano; Ilustradores Ilustrados, na Galeria Lapso, com fotografias de João Francisco Vilhena a ilustradores, captadas agora e há 20 anos; Ver ao Perto e Desenhos em Festa, na Casa Bocage e na Biblioteca de Azeitão, dão a conhecer os artistas da região.

Os concertos na Gráfica estão marcados para 17 de Outubro, Et toi Michel, e 24, Pedro e os Lobos, ambos às 18h.

Sugerir correcção