Stress familiar por causa da pandemia recai desproporcionalmente nas mulheres

Inquérito Life with Corona mostrou “níveis substancialmente mais elevados de tensão domiciliária” nas mulheres.

pandemia,covid19,coronavirus,saude,sociedade,
Foto
daniel rocha

Um inquérito internacional realizado a 12 mil pessoas concluiu que o stress familiar durante a pandemia de covid-19 recai sobre as mulheres de forma desproporcional. O estudo abrange 130 países e teve como parceiro em Portugal o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto.

Em comunicado, o instituto explica que o inquérito Life with Corona, lançado há cerca de seis meses, surgiu com o intuito de “avaliar as implicações da pandemia na vida diária das pessoas em todo o mundo”.

O inquérito, coordenado por investigadores do Centro de Segurança e Desenvolvimento Internacional (ISDC), do Instituto Mundial de Investigação em Economia do Desenvolvimento da Universidade das Nações Unidas (UNU-WIDER), do Instituto Leibniz de Culturas Vegetais e Ornamentais (IGX) e do Instituto de Estudos de Desenvolvimento (IDS), recolheu dados de 12 mil pessoas, de mais 130 países que revelam “diferenças culturais e geracionais”.

Entre as principais conclusões, o inquérito destaca que o stress familiar durante a pandemia recai, de forma desproporcional, nas mulheres que moram com mais do que uma pessoa.

“O relatório feminino indica níveis substancialmente mais elevados de tensão domiciliária do que o masculino, independentemente do tamanho da família, o que sugere que a pandemia pode perpetuar disparidades de género”, indicam os especialistas.

Paralelamente, o inquérito indica que os idosos, ainda que considerados de risco, “estão menos preocupados com as circunstâncias actuais” da covid-19 do que as pessoas mais jovens.

“Isso ressalta que os desequilíbrios geracionais dos impactos da pandemia podem ser fortes e que os aspectos culturais, emocionais e socioeconómicos da pandemia podem ser tão importantes quanto o aspecto da saúde”, lê-se nas conclusões.

Life with Corona concluiu ainda que os jovens adultos realizam “activamente muitos comportamentos” para combater a pandemia, que os americanos querem ter prioridade no acesso a uma vacina e que os mais jovens estão mais dispostos a pagar para impedir a propagação da doença do que as pessoas mais velhas.

Citado no comunicado, Tilman Bruck, do ISDC, afirma que a covid-19 “não se trata apenas de uma pandemia médica”, mas sim de “uma pandemia social”.

“O coronavírus mudou a vida e a subsistência de milhares de milhões de pessoas em todo o mundo, com uma velocidade e força sem precedentes”, salienta o economista alemão especializado em desenvolvimento e economia da paz, conflito e terrorismo.

Também Wolfgang Stojetz, responsável pela análise de dados do inquérito, salienta que o intuito do Life with Corona é “documentar as mudanças em tempo real”.

“Mesmo que derrotemos o vírus em breve, o seu legado moldará as nossas sociedades durante muito tempo”, observa o investigador do ISDC - Centro Internacional de Segurança e Desenvolvimento.

Por existirem ainda “muitas implicações a apurar”, no dia 1 de Outubro foi lançada a segunda fase do inquérito, que pretende “obter dados mais globais sobre o impacto da covid-19 a nível social e económico”, explica o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde.

Sugerir correcção