Em dia de peregrinação sem enchente, Igreja continua a adiar divulgação das contas

Por medo ao coronavírus ou em obediência ao apelo para que ficassem em casa, os fiéis não lotaram esta segunda-feira o recinto do Santuário de Fátima. Sem multidão, os responsáveis da Igreja dedicaram-se a (não) fazer contas aos prejuízos da pandemia.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

“Viemos cedo porque tínhamos medo que não houvesse lugar e, afinal, não era preciso nada disso”, desabafa José Paiva. A exasperação percebe-se: são quase duas da tarde, o octogenário e a mulher estão desde as nove horas da manhã a guardar lugar, sentados ambos em cadeiras de praia, no recinto do Santuário de Fátima. Deram-se ao trabalho de trazer chapéus, sandes e água, para não perderem a vista desimpedida para a Capelinha das Aparições e, afinal, o esforço revelou-se escusado. Mesmo depois das 21h30, quando a procissão de velas já decorria esta segunda-feira, no recinto não se juntaram mais de 4500 pessoas, abaixo da lotação máxima que o respeito pelas regras sanitárias fixou nas seis mil.