Entre novos e velhos, o Curtas premeia Noite Turva e The Unseen River

Prémios máximos de um festival diferente para jovens realizadores, num palmarés que também contemplou Jafar Panahi, Denise Fernandes ou Sandro Aguilar.

Foto
Diogo Salgado venceu a Competição Nacional com o envolvente e atmosférico Noite Turva DR

A começar pelo “portal de desinfecção” instalado à entrada do Teatro Municipal para apaziguar os receios do Covid-19, e a terminar na disponibilização online das suas secções competitivas e no prolongamento do concurso nacional por Porto, Faro e Lisboa, o Curtas Vila do Conde 2020 foi um festival de experiências e de novidades.

Não surpreende por isso que o seu palmarés o reflicta: num ano em que as melhores curtas a concurso pertenciam a cineastas veteranos, foram os mais interessantes jovens realizadores que arrecadaram os prémios principais. Diogo Salgado venceu a Competição Nacional com o envolvente e atmosférico Noite TurvaNha Mila, de Denise Fernandes, discreto retrato de reencontros familiares numa escala em Lisboa oriundo de Locarno 2020, foi a curta escolhida para representar o festival nos Prémios Europeus de Cinema; o vietnamita Pham Ngoc Lan arrecada o concurso internacional com a sua segunda curta, o elegante exercício de melancolia paisagista The Unseen River. 

Foto
The Unseen River, o elegante exercício de melancolia paisagista de Pham Ngoc Lan DR

A escolha do júri formado pelas cineastas Elena Lopez Riera (cujo Los que Desean ganhou a Competição Internacional em 2019), Susana de Sousa Dias e João Paulo Miranda Maria optou por obras narrativamente mais ousadas, mas conseguiu, ainda assim, equilibrar com elegância vozes novas e nomes consagrados. Na competição nacional, o prémio de melhor realização coube a Sandro Aguilar por Armour, filme resultante de uma residência artística no Quebeque. Nos prémios transversais às competições, a melhor animação foi também portuguesa: Elo, um pequeno conto surreal e delicado de Alexandra Ramires (Água Mole), escrito a meios com Regina Guimarães.

Foto
Nha Mila, de Denise Fernandes, discreto retrato de reencontros familiares numa escala em Lisboa DR

O iraniano Jafar Panahi, ele de Táxi Isto Não É um Filme, ganhou o prémio de melhor documentário com Hidden, mais um dos seus fascinantes devaneios automóveis entre ficção e realidade, numa curta encomendada pela Ópera de Paris que funciona quase como “adenda” a Três Rostos. E o galardão de melhor ficção coube à estreante francesa Naïla Guiguet, DJ e activista, com Dustin, que acompanha uma noite de um grupo de personagens LGBTQ. O público presente votou em Physique de la Tristesse, animação do canadiano Theodore Ushev, e O Nosso Reino, adaptação de Valter Hugo Mãe por Luís Costa.

Foto
Armour, de Sandro Aguilar, filme resultante de uma residência artística no Quebeque DR

Na secção de filmes de escola Take One!, julgada pelas realizadoras Ana Maria Gomes, Catarina Romano e David Pinheiro Vicente, premiaram-se dois documentários de tendência experimental – I Don’t Like 5PM de Francisco Dias (produção da Escola das Artes da Universidade Católica, melhor filme) e Cores de Outono de Lucas Tavares (Universidade da Beira Interior, melhor realizador), com uma menção especial para o já muito falado Corte, de Afonso e Bernardo Rapazote, escolhido para o programa Cinéfondation de Cannes.

Os filmes premiados estarão disponíveis – tal como o grosso da selecção competitiva do certame – na plataforma online do Curtas, https://online.curtas.pt, até ao próximo dia 25. Poderão ser ainda vistos em sala em Vila do Conde hoje (domingo 11) às 19h00, 19h45, 21h45 e 22h15. 

Palmarés

Grande Prémio – The Unseen River de Pham Ngoc Lan (Vietname, Laos)
Melhor Animação – Elo de Alexandra Ramires (Portugal, França)
Melhor Documentário – Hidden de Jafar Panahi (França, Irão)
Melhor Ficção – Dustin de Naïla Guiguet (França)
Prémio do Público – Physique de la tristesse de Theodore Ushev (Canadá)

Competição Nacional
Melhor Filme – Noite Turva de Diogo Salgado
Melhor Realizador – Sandro Aguilar por Armour
Prémio do Público – O Nosso Reino de Luís Costa

Nomeação Curtas aos Prémios Europeus de Cinema
Nha Mila de Denise Fernandes

Competição Take One!
Melhor Filme – I Don’t Like 5PM de Francisco Dias
Melhor Realizador – Lucas Tavares por Cores de Outono

Competição My Generation
I, Julia de Arvin Kananian (Suécia)

Competição Experimental
South de Morgan Quaintance (Reino Unido)

Competição de Vídeos Musicais
Batida, Ikoqwe-Vaivai, real. Pedro Coquenão e Manuel Lino

Prémio Curtinhas
To Gerard de Taylor Meacham (EUA)