As vidas invisíveis segundo João Paulo Miranda Maria

Com Casa de Antiguidades, seleccionado para Cannes, o Curtas Vila do Conde revela mais um cineasta a seguir com atenção neste momento de crise para o cinema do Brasil.

artes-cultura-entretenimento,cultura,cinema,culturaipsilon,curtas-vila-conde,brasil,
Fotogaleria
"Casa de Antiguidades" fala do ostracismo a que um trabalhador negro é votado na nova fábrica em que começou a trabalhar
artes-cultura-entretenimento,cultura,cinema,culturaipsilon,curtas-vila-conde,brasil,
Fotogaleria
“A questão da memória é uma coisa importantíssima para o filme”, explica Miranda Maria (o realizador na fotografia)

“Estamos vivendo num momento em que temos uma crise e ou a gente fica e morre ou a gente luta. E podemos ganhar ou perder, mas se nós não lutarmos, então não adianta, não compensa. A nossa arma não é uma espingarda ou um revólver; a nossa arma é o cinema, a nossa câmara, e precisamos de alguma forma de lutar.” O cineasta brasileiro João Paulo Miranda Maria (Porto Feliz, 1982) não faz por menos. Numa cadeira socialmente distanciada do salão nobre do Teatro Municipal de Vila do Conde, onde é júri da competição do 28.º Curtas, define que “todo o cinema tem algo político” e diz não conseguir imaginar uma arte que não discuta de alguma maneira a sociedade em que vive — no caso, a sociedade brasileira e a polarização intolerante que se exacerbou ao longo da última década.