Bicicletas vão poder usar corredores BUS em mais duas ruas do Porto

Parte das ruas Dr. Roberto Frias e da Constituição vão ser palco de mais um teste onde se juntam autocarros e bicicletas na mesma via

Foto
Rua de Costa Cabral foi a primeira a ter corredores BUS abertos a velocípedes Fernando Veludo/ nFactos

O corredor BUS da Rua de Costa Cabral já tinha aberto caminho à experiência e terá agora mais duas artérias do Porto a juntar-se a ela: as ruas Dr. Roberto Frias e da Constituição (tramo entre a Rua de Serpa Pinto e Pedro Hispano) vão ter os seus corredores de transporte público aberto a velocípedes, “a título experimental”, por um período de 36 meses.

A medida proposta pela vereadora com os pelouros dos Transportes, Fiscalização e Protecção Civil, Cristina Pimentel, vai ser votada na próxima reunião de câmara, na segunda-feira, e parte do princípio de que “a permissão de circulação de velocípedes nos corredores BUS pode trazer ganhos de mobilidade e de eficiência energética consideráveis”.

No Porto, essa experiência começou na rua de Costa Cabral em Maio de 2017 – e continuará por mais 36 meses, sugere a mesma proposta –, com uma monitorização da medida realizada pelo departamento de engenharia civil da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ainda segundo a proposta, essa avaliação não identificou alterações nas condições de segurança viária, mostrando-se, por isso, viável.

Apesar dessa apreciação, nem todos parecem ter apreciado a ideia. Os inquéritos feitos pela Faculdade de Engenharia revelam descontentamento dos motoristas da STCP e dos taxistas (estes em expressões mais baixas), que consideram a circulação de bicicletas nas faixas BUS “prejudicial ao transporte público”. Já os ciclistas mostram-se “claramente satisfeitos” com a ideia e o “alargamento da mesma para outros locais da cidade”.

Os corredores BUS no Porto representam actualmente 20, 677 quilómetros, o que representa um aumento de 1,677 relativamente a Maio de 2017, quando o projecto-piloto de Costa Cabral arrancou. A rede de ciclovias da cidade está a ser alargada e a Câmara do Porto quer ter mais 35 quilómetros disponíveis até ao final deste ano.