SAD do Sp. Braga com lucro recorde de 22 milhões de euros em 2019/20

Os resultados do emblema minhoto são históricos.

Foto
António Salvador LUSA/HUGO DELGADO

A Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Sporting de Braga vai apresentar um resultado líquido positivo relativo à época 2019/20 de 22 milhões de euros (ME), o maior de sempre da sociedade anónima desportiva minhota.

Os 22 ME, recorde que “supera todas as expectativas inicialmente previstas", segundo uma nota de imprensa divulgada nesta quinta-feira, sucedem-se ao já anterior resultado positivo, de 6,2 ME, em 2018/19.

O Sp. Braga regista ainda um EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 30,2 ME (contra 13,1 ME na temporada anterior).

“Este é o maior resultado de sempre da sociedade, que assume maior relevo face ao contexto epidemiológico vivenciado, o qual levou à interrupção das competições desportivas e gerou grande incerteza no mercado e na indústria do futebol”, pode ler-se.

A SAD bracarense gerou resultados que permitiram atingir 41 ME de capitais próprios e uma autonomia financeira superior a 41%, “rácio manifestamente positivo no sector de actividade e ímpar no panorama nacional”.

O Sporting de Braga frisou ainda as mais valias decorrentes das operações com atletas, aproximadamente 25 ME, no bolo geral do volume de negócios de cerca de 68 ME, tendo destacado, sem precisar o valor, a contribuição da transferência do internacional Francisco Trincão para o FC Barcelona.

O activo cresceu cerca de 39%, para valores que chegam quase aos 100 ME (99,4 ME), sendo que a SAD frisa que nesta análise “não deve ser descurado o facto do valor do plantel se encontrar valorizado ao custo de aquisição, quando o seu valor de mercado é consideravelmente superior”.

O passivo também subiu, cerca de 11%, situando-se agora nos 58 milhões de euros, “em grande parte motivado por compromissos assumidos com transacções de atletas”.

As remunerações do pessoal ascenderam a 13 ME, ao que acrescem prémios de desempenho (2,3 ME), respectivos encargos sobre remunerações (um ME), seguros de acidentes de trabalho (1,7 ME), entre outros (1,5 ME).

O montante apresentado inclui todos os gastos inerentes aos atletas, treinadores e staff que compõem as equipas da SAD, nomeadamente, formação (sub-15, sub-17 e sub-19), equipa sub-23, equipa B, plantel principal e demais colaboradores.

Os resultados vão ser apresentados em assembleia-geral ordinária da SAD, em 27 de Outubro.