Gucci lança “vestido” para homem que custa 1900 euros. Objectivo? Combater os estereótipos

A colecção Outono/Inverno de Alessandro Michele para homem está cheia de peças que tradicionalmente são envergadas por mulheres.

igualdade-genero,vestuario,racismo,consumo,moda,design,
Fotogaleria
Calças de flanela (880 euros) DR
igualdade-genero,vestuario,racismo,consumo,moda,design,
Fotogaleria
DR
igualdade-genero,vestuario,racismo,consumo,moda,design,
Fotogaleria
T-shirt (350 euros) DR
igualdade-genero,vestuario,racismo,consumo,moda,design,
Fotogaleria
DR
Gucci
Fotogaleria
Camisa comprida (1300 euros) DR
moda
Fotogaleria
Pullover (600 euros) DR
igualdade-genero,vestuario,racismo,consumo,moda,design,
Fotogaleria
Sapatos (790 euros) DR
,moda
Fotogaleria
DR
,moda
Fotogaleria
DR
,moda
Fotogaleria
DR
,Pronto para vestir
Fotogaleria
Camisa comprida em algodão (1900 euros) DR
,Vestir
Fotogaleria
DR
,Gucci
Fotogaleria
Camisa comprida com tema floral (1500 euros) DR

Alessandro Michele, o designer por detrás da Gucci desde 2015, quer combater os estereótipos e a melhor maneira de o fazer é criando peças que possam ser usadas por homens e mulheres. A sua colecção Outono/Inverno 2020 para homem está cheia de camisas compridas que se assemelham a vestidos e houve uma que chamou a atenção da imprensa. No site, a marca italiana chama-lhe “camisa longa” e pode ser usada por cima de umas calças de ganga, mas a secção onde pode ser encontrada é na dos “vestidos”. Trata-se de uma peça de algodão, em tons laranja, que custa 1900 euros.

“Inspirado nos looks grunge dos anos 90 e com estilo sobre umas calças de ganga rasgadas, esta camisa em tartan em cores delicadas reflecte a ideia de fluidez explorada no desfile de moda Outono/Inverno de 2020, rompendo os estereótipos tóxicos que moldam a identidade de género masculina. O contraste da gola Peter Pan e o bordado na frente adicionam um elemento inspirado na infância”, diz a apresentação da peça no site.

Quando a colecção para homem foi apresentada, pela passerelle desfilaram não só modelos masculinos mas também femininos que vestiram casacos compridos com botões dourados, pullovers em tons rosa e camisas compridas (ou vestidos), meias de renda e sapatos abertos (ver fotogaleria em cima)

Em 2013, a Gucci criou uma campanha global, Chime for Change — cujas co-fundadoras são a actriz Salma Hayek e a cantora Beyoncé Knowles-Carter; e cujos parceiros são as fundações Kering e Bill & Melinda Gates, além da Hearst Magazines e do Facebook —, para juntar vozes pela igualdade de género. Segundo o site da organização, a campanha arrecadou mais de 16 milhões de euros para apoiar projectos em 89 países, beneficiando mais de 570 mil raparigas e mulheres em todo o mundo

O ano passado, depois de um escândalo com uma camisola que lembrava a blackface — então a Gucci foi acusada de racismo — a marca, que pertence ao conglomerado Kering, anunciou o lançamento de uma iniciativa para promover a diversidade racial dentro da empresa e da indústria da moda em geral, a Gucci Changemakers. Meses depois, criaria o cargo de directora global da diversidade igualdade e inclusão, para o qual foi escolhida a advogada norte-americana Renée Tirado, com o desafio de desenvolver e implementar estratégias a fim de criar um local de trabalho que responda pela igualdade e inclusão.