Torne-se perito Crítica

O Ninho é uma miragem na outra margem

Revisitação do motivo da casa assombrada, a segunda longa de Sean Durkin em 10 anos faz o espectador ver dead people.

Filme de terror, drama conjugal ou filme político?
Fotogaleria
Filme de terror, drama conjugal ou filme político?
Filme de terror, drama conjugal ou filme político?
Fotogaleria
Filme de terror, drama conjugal ou filme político?
laranja-mecanica,josh-mond,critica,cinema,culturaipsilon,sundance,
Fotogaleria

Quase uma década depois de Martha Marcy May Marlene (2011), que lhe valeu um Director’s Award no Festival de Sundance, Sean Durkin, 38 anos, aparece agora com O Ninho a suspender a derrocada definitiva das promessas alimentadas pela Borderline Films, o polo produtivo do cinema independente norte-americano formado por colegas da New York University que alimentou entusiasmos na primeira década do século XXI. Chegou a ser considerado das coisas mais excitantes a surgir na paisagem do pós-hype indie dos anos 90 do século XX, os anos Miramax. Anunciava-se qualquer coisa, anunciava-se outra coisa, e devolvia-se ousadia ao que se tornara establishment e “golpe” mercantil. Em 2016, o Curtas de Vila do Conde aparecia ainda crente, quando tudo começava já a confirmar-se como uma miragem, e dedicou um foco a esse colectivo fundado por Durkin, Antonio Campos (Afterschool, 2008) e Josh Mond (James White, 2015), às suas curtas iniciais e à forma como se revezavam na distribuição dos papéis de realizador, director de fotografia ou produtor.