O mundo é uma aventura - e este não é (mais) um guia de viagens

São 20 anos em viagem em 348 páginas: não é um guia, é um itinerário de memórias que percorrem cinco continentes. Do encontro com Kadhafi ao quase encontro com a morte (no Laos), este é o testemunho da “curiosidade” de Rui Barbosa Batista, que ganhou “textura e vivências” por todo o mundo e que ele agora partilha em BornFreee - O mundo é uma aventura.

viagens,fugas,livros,turismo,laos,sudao,
Fotogaleria
Sudão Rui Barbosa Batista
viagens,fugas,livros,turismo,laos,sudao,
Fotogaleria
África do Sul Rui Barbosa Batista
viagens,fugas,livros,turismo,laos,sudao,
Fotogaleria
Bangladesg Rui Barbosa Batista
viagens,fugas,livros,turismo,laos,sudao,
Fotogaleria
Arábia Saudita Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Índia Rui Barbosa Batista
Vitral
Fotogaleria
Irão Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Kibera, Tanzânia Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Os rohingya do Bangladesh Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Os rohingya do Bangladesh Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Os rohingya do Bangladesh Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Tanzânia Rui Barbosa Batista
fugas,
Fotogaleria
Uganda Rui Barbosa Batista
Motocicleta
Fotogaleria
Uzbequistão Rui Barbosa Batista

Começou a viajar “a sério”, como diz, “bastante tarde” - andava perto dos 30 anos -, porém, logo se deixou tomar pelo “frenesim” - 20 anos volvidos, o seu passaporte (que é como quem diz, passaportes) exibem 113 carimbos diferentes. De países que existem, de países que querem existir; de países onde foi uma vez, de países onde regressou várias vezes. Mas, mais do que uma colecção de países para apresentar (“e fotos para as redes [sociais]”), Rui Barbosa Batista busca experiências e pessoas. “Sou sobretudo um apaixonado pelos destinos ‘B’, os menos óbvios, menos desejados, menos turísticos e mais desafiantes logisticamente”, explica. “Logo, mais genuínos”, avalia. Por isso, o livro que lança esta quarta-feira, 7 de Outubro, não é (mais) um guia de viagens. É uma colecção de histórias e um testemunho da sua “curiosidade” que ganhou “textura e vivências” em viagem: BornFreee - o mundo é uma aventura.

PÚBLICO -
Foto
“Viajo porque não conheço melhor expressão de liberdade" @kitato

O mundo que Rui Barbosa ​Batista, jornalista de profissão (na Agência Lusa) e blogger por prazer (Bornfreee), desenha ao longo das 348 páginas não é “todo” o mundo, nem sequer é todo o mundo que visitou. Os 53 países onde nos transporta nas suas crónicas deixam de fora ainda mais e, sobretudo, sublinha, “mais experiências”. Seleccioná-los foi como cortar um pedaço de si, confessa. “Pretendi registos equilibrados em termos de temáticas, ou seja, de tudo o que nos pode acontecer em viagem quando viajamos neste meu registo mais livre” - e há “experiências com pessoas, fronteiras complicadas, transportes épicos, situações insólitas, histórias pessoais”. Quis também “privilegiar as histórias fora da Europa, que nos transportam mais facilmente para outras culturas. E espalhá-las pelo globo” - no mapa mundo que abre o livro com indicação dos países referenciados, nota-se a predominância de África e Ásia. 

Se as viagens aconteceram “ao sabor do vento, sem grandes roteiros definidos”, o livro disciplina a impetuosidade natural do autor, que depois de um começo “em falso”, digamos (com uma viagem com tudo marcado que o impediu de juntar-se a um grupo que conhecera logo no primeiro dia), passou a viajar sem nada marcado, excepto a primeira dormida no caso de chegar ao destino à noite. No livro - cuja capa exibe uma foto do Sudão, tons suaves -, as viagens seguem ordem alfabética (há países com mais do que um texto - mais uma vez, aqui são as experiências que contam), o que torna mais intuitiva a leitura. Um aparente paradoxo, já que é a intuição que torna as viagens de Rui imprevisíveis. “Viajo porque não conheço melhor expressão de liberdade. Sobretudo quando o fazemos de espírito aberto e privilegiamos o imprevisto, as maravilhas do inesperado ao invés do meticulosamente programado. Gosto de ter, a cada momento, todas as hipóteses e opções.”

Da África do Sul e da Arábia Saudita até ao Uzbequistão, passando por Nagorno-Karabakh (“essa espécie de país”, escreve, fonte de conflito entre o Azerbaijão e a Arménia, que na semana passada conheceu novos capítulos), sem esquecer Portugal (a subida ao Pico, o ponto mais alto do país), Rui Baptista dá-nos a conhecer a história do último pirata “português” do Belize e de como conheceu a sua ex-namorada Kristi. Os contratempos nas fronteiras (como no Azerbaijão), os problemas mais escatológicos (veja-se, por exemplo, a noite no Nilo), as experiências mais imprevistas (o “tropeçar” num aeroporto militar esquecido), as mais extremas (desde a visita ao maior campo de refugiados do mundo, no Bangladesh, à Depressão de Danakil, o local mais quente do globo, este um texto publicado originalmente na Fugas), as mais ousadas (como a entrada num abandonado, e entaipado, edifício do Partido Comunista Búlgaro, e a tentativa de entrar no edifício do KGB), as mais “mediáticas” (um encontro com Muammar Kadhafi), não faltam. E até uma experiência quase mortal, no Laos, fica registada. Na China, acompanhamo-lo em trabalho, mas num registo pessoal - neste caso, complementado com a perspectiva profissional, como quando reproduz o texto sobre a cerimónia da abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim para a Agência Lusa. Passa pela Argentina e Nova Zelândia (os dois países que mais desejava visitar, “sobretudo pela sua estonteante beleza natural”), pelo Irão, Sudão, Etiópia, Colômbia e Senegal - e estes são os países que, confessa, mais o marcaram “por vários motivos”.

PÚBLICO -
Foto
Irão Rui Barbosa Batista

Faltou-lhe, revela, uma ou outra história “caricata” em países que “adorou”, mas que não quis que ficassem marcados por episódios de corrupção em fronteiras (embora haja um no Vietname) E ofertas de prostituição (há um equívoco que, afinal, revelou toda a generosidade de um pequeno país) – estas situações, diz, “não podem ser tomadas pelo todo”. Faltou-lhe uma crónica do que sente “representar a humilhação dos árabes ao cruzar as fronteiras e postos de controlo israelitas”. “Nessa viagem”, conta, “ainda não tinha a actual consciência, um quadro mais aprofundado da situação.” E viajar também permite isso: “Adoro alimentar-me de informação e vivências novas, seja com pessoas, lugares, experiências.” Em 20 anos de viagem, Rui foi testando “gostos e limites”, libertando-se de todo o tipo de amarras, “sejam elas físicas, emocionais, ideológicas, sociais, políticas ou religiosas”. E que venham outros tantos: “Quero continuar a aprender, a dar novos olhos ao meu mundo, renovar-me e crescer como ser humano.”

No seu horizonte estão três destinos que ainda não sabe quando irá visitar, mas que exercem poderoso fascínio sobre ele - o Iémen, para o qual já esteve a ponto de viajar, já tinha guia local e tudo, o Paquistão e a Quirguízia (este, “um fetiche de criança”). Contudo, assinala, “há desejos que vai “adiando propositadamente, para continuar a ter destinos estimulantes no horizonte, nos sonhos”.

Quaisquer que sejam os caminhos no globo terrestre, tem a certeza de que quer continuar as partilhar as suas experiências e aprendizagens. Adora contar as suas histórias: fá-lo com regularidade em público e estão sempre “à mão” no seu blogue, que nasceu da preguiça. “Era maçador, em viagem, ir respondendo aos e-mails dos amigos que, invariavelmente, perguntavam o mesmo”, recorda, e então, em 2009, quando estava a percorrer a África Oriental, do Quénia à África do Sul, um companheiro de viagem sugeriu fazerem um blogue sobre essa jornada.

PÚBLICO -
Foto
Tanzânia Rui Barbosa Batista

“Resultado: deixei de ter muitas mensagens para responder, fiquei com um excelente registo de memória futura e os amigos sentiam que me acompanhavam, que estavam lá comigo.” Depois desse, nasceram outros cinco blogues, correspondentes a outras tantas viagens, até que Rui Barbosa ​Batista decidiu juntar tudo num só projecto, o Bornfree. O nome, explica, nasceu de uma t-shirt ‘Born Free’ que trouxe do Canadá, com um alce a conduzir uma Harley-Davidson. “A minha irmã disse que era a minha cara. Percebi que o nome estava tomado, mas contornei a frustração acrescentando-lhe a tal liberdade, ou seja, um ‘e’, Bornfreee.”

Durante o período de confinamento, Rui Barbosa ​Batista reencontrou a liberdade terminando o livro sobre as suas aventuras pelo mundo que era um projecto em procrastinação. Fechou os primeiros 20 anos de viagens numa espécie de livro de memórias - que como todas as memórias tem componente visual: o livro fecha quase como um álbum fotográfico, em 18 páginas de fotos. Não são imagens de panfleto turístico, são imagens do mundo tal como Rui Barbosa ​Batista o vê: belo e caótico, cheio de rostos e de vida “a sério”.

Sugerir correcção