Ataque contra a segunda cidade do Azerbaijão aprofunda conflito no Nagorno-Karabakh

Bombardeamento do aeroporto de Ganja pelas forças separatistas apoiadas pela Arménia foi uma retaliação por ataque contra capital do enclave.

Foto
Mais de 220 pessoas morreram desde que os confrontos começaram, há cerca de uma semana Reuters/AZIZ KARIMOV

O conflito entre a Arménia e o Azerbaijão subiu um degrau com o bombardeamento da segunda maior cidade azerbaijana, na qual morreu pelo menos um civil.

O alvo dos bombardeamentos foi o aeroporto de Ganja, uma cidade de 330 mil habitantes a norte do Nagorno-Karabakh, onde até agora tinha decorrido a generalidade dos confrontos. O Governo arménio negou ter atacado Ganja, mas as autoridades do enclave, controlado por Ierevan, confirmaram o bombardeamento, que justificaram como uma retaliação pela ofensiva contra Stepanakert, a capital da região separatista.

Teme-se que na principal cidade do Nagorno-Karabakh haja um grande número de vítimas civis. Vários edifícios de Stepanakert foram destruídos e a electricidade foi cortada, segundo a agência Armenpress, citada pela BBC. Mais de 220 pessoas morreram desde que os mais recentes combates começaram, no fim-de-semana passado.

“A partir de agora, as instalações militares existentes nas principais cidades do Azerbaijão são alvos legítimos”, afirmou o líder separatista, Arayik Harutyunyan.

A posição oficial da Arménia é a de que “não houve fogo de nenhum tipo disparado a partir do território arménio na direcção do Azerbaijão”, como explicou a porta-voz do Ministério da Defesa, Shushan Stepanyan.

Após o colapso da União Soviética, os dois vizinhos recém-independentes entraram em guerra pelo controlo desta região, formalmente parte do Azerbaijão, mas maioritariamente habitada por arménios. Em 1994, foi assinado um cessar-fogo, mas não um acordo sobre o estatuto do Nagorno-Karabakh, que é internacionalmente reconhecido como parte do território azerbaijano, mas é controlado a partir de Ierevan.

Desde então houve confrontos esporádicos, mas nunca uma guerra declarada entre as duas nações – os combates foram-se travando entre o Exército azerbaijano e as forças militares separatistas. O bombardeamento de Ganja, em pleno território do Azerbaijão é visto como um passo que pode precipitar o início de uma guerra aberta.

O Governo de Bacu prometeu responder ao ataque contra o aeroporto com bombardeamentos em território arménio.

Em Ierevan, a retórica bélica já é audível. “Enfrentamos o momento mais decisivo da nossa história milenar. Temos de nos dedicar a um único objectivo: vitória”, afirmou o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinyan.

Entretanto, os esforços diplomáticos para tentar conter o conflito parecem apresentar poucos progressos. EUA, Rússia e França integram o chamado Grupo de Minsk da Organização para a Segurança e Cooperação Europeia (OSCE) e têm apelado ao diálogo entre as partes. Mas a entrada da Turquia, ao lado Azerbaijão, em cena está a mudar os equilíbrios regionais.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, rejeitou esta semana a mediação dos outros três países, o que pode sugerir um longo conflito e até arrastar potências estrangeiras para mais uma guerra por procuração.