INE regista 7144 mortes acima da média dos últimos cinco anos entre Março e Setembro

Deste acréscimo de mortalidade, um pouco mais de um quarto (1920 mortes), foi atribuído a covid-19.

Foto
Manuel Roberto

Portugal registou 64.105 óbitos entre 02 de Marco, quando diagnosticou os primeiros casos de covid-19, e 20 de Setembro, mais 7144 do que a média em idêntico período dos últimos cinco anos, revelou nesta sexta-feira o INE.

A verdade faz-nos mais fortes

Das guerras aos desastres ambientais, da economia às ameaças epidémicas, quando os dias são de incerteza, o jornalismo do Público torna-se o porto de abrigo para os portugueses que querem pensar melhor. Juntos vemos melhor. Dê força à informação responsável que o ajuda entender o mundo, a pensar e decidir.

Portugal registou 64.105 óbitos entre 02 de Marco, quando diagnosticou os primeiros casos de covid-19, e 20 de Setembro, mais 7144 do que a média em idêntico período dos últimos cinco anos, revelou nesta sexta-feira o INE.

Deste acréscimo, um pouco mais de um quarto (1920 mortes), foi atribuído a covid-19. De acordo com os dados preliminares mais recentes, entre 24 de Agosto e 20 de Setembro, registaram-se mais 1015 óbitos do que a média, em período homólogo, de 2015-2019. “Nesse período registaram-se 119 óbitos por covid-19”, afirma o Instituto Nacional de Estatística na informação divulgada.

De acordo com os dados obtidos através da informação registada nas conservatórias do Registo Civil, mais de 70% das mortes foram de pessoas com idade igual ou superior a 75 anos. “Comparativamente com a média de óbitos observada em período homólogo de 2015-2019, morreram mais 6218 pessoas com 75 e mais anos, das quais mais 4865 com 85 e mais anos”, refere o INE.

No total, morreram 31. 568 homens e 32.537 mulheres entre 02 de Março e 20 de Setembro, mais 2970 homens e 4174 mulheres em relação à média do período homólogo de 2015-2019.

“Uma das consequências mais dramáticas dos efeitos da pandemia covid-19 diz respeito ao aumento do número total de óbitos”, considera o INE, especificando que o número de mortes atribuídas a covid-19 “fornece apenas uma medida parcial desses efeitos”.

No total acumulado do ano, morreram 86.178 pessoas, mais 5648 comparativamente à média de óbitos para o período homólogo de 2015-2019.

Nos primeiros dois meses de 2020, o número de mortes foi, em geral, inferior aos valores médios observados nos últimos cinco anos, mas enquanto em anos anteriores a mortalidade continuou a decrescer nos meses seguintes, em Março deste ano começou a aumentar.

O maior acréscimo no número de óbitos relativamente à média 2015-2019 registou-se na região Norte, à excepção da última semana de Junho e as primeiras de Julho, em que este aumento foi superior na Área Metropolitana de Lisboa.

O INE observou ainda que enquanto nos países europeus a mortalidade tendeu a manter-se próxima de média dos últimos anos, entre as semanas 26 e 31 (de 22 de Junho a 02 de Agosto) o aumento do número de óbitos em Portugal relativamente à média é “muito significativo”, atingindo 43% na semana 29 (13 a 19 de Julho).

Nas últimas semanas a sobremortalidade em Portugal diminuiu, atingindo valores inferiores aos do conjunto dos países europeus nas semanas 33 e 34 (17 a 30 de Agosto), mas no início de Setembro voltou a acentuar-se comparativamente à verificada nos outros estados europeus.

A carregar...