james-brown,kendrick-lamar,hiphop,racismo,culturaipsilon,musica,
Eitan Miskevich

Caos e emergência no regresso dos Public Enemy

É certo que a mais revolucionária banda do hip hop continuava activa em tempos recentes, mas é com What You Gonna do When the Grid Goes Down que podemos afirmar que estão realmente de volta. Em 2020 como em 1989: Fight the Power.

Apesar de os afro-americanos serem apenas 9% da população de Long Island, no estado de Nova Iorque, representam 30% das detenções ali efectuadas. Quanto a intervenções policiais que resultam num alvejamento, a percentagem é ainda mais alta: 43% dos corpos contra quem a polícia dispara são negros. Não surpreende que, após casos como os de George Floyd, afro-americano sufocado até à morte pela polícia, ou de Breonna Taylor, assassinada pelo corpo policial que lhe arrombou a porta de casa, sem pré-aviso e irrompendo pela morada errada (dois símbolos de um padrão comportamental alargado), se tenham multiplicado as manifestações, cidade após cidade, exigindo respeito e igualdade de tratamento para com os seus cidadãos negros. Não surpreende, também, que uma certa banda de Long Island que transformou o hip hop em braço armado político, os Public Enemy, regressem para, tal como em 1989, erguer voz e um punho cerrado: “Fight the power!”.