Thiem e Zverev continuam na crista da onda

Serena Williams acabou por abandonar o torneio feminino, com uma lesão no tendão de Aquiles.

Dominic Thiem
Foto
Dominic Thiem Reuters/CHARLES PLATIAU

Foram os últimos a deixar Nova Iorque, mas nem por isso têm acusado falta de preparação para um torneio tão específico como o de Roland Garros, em terra batida e, este ano, em condições muito lentas. Tanto Dominic Thiem como Alexander Zverev passaram a segunda eliminatória, aproveitando a confiança que trouxeram do outro lado do Atlântico. 

“Estou ainda um pouco na onda de felicidade de Nova Iorque. Claro que, a certa altura, vou ficar super-cansado. Acho que toda a tensão e foco em Roland Garros têm escondido o cansaço e espero adiá-lo o mais possível”, admitiu Thiem, após derrotar o ex-top 10, vindo do qualifying, Jack Sock (310.º), por 6-1, 6-3 e 7-6 (8/6).

Já Alexander Zverev acusou alguma inconsistência ao longo dos cinco sets que disputou com Pierre-Hugues Herbert (78.º), durante quatro horas: 2-6, 6-4, 7-6 (7/5), 4-6 e 6-4. O ténis variado do francês, ex-número dois do ranking de pares, com quatro títulos do Grand Slam nessa variante, causou dificuldades a Zverev que teve de salvar um break-point a 2-6, 1-4, recuperou de 3/5 no tie-break da terceira partida e não aproveitou quando serviu, a 5-3 do quarto set, para fechar o encontro. Mas o alemão ultrapassou esses momentos e acabou por ganhar o sétimo dos últimos oito encontros que disputou em cinco sets.

No torneio feminino, a maior surpresa foi a o abandono de Serena Williams, devido a uma lesão no tendão de Aquiles. Outra surpresa foi a derrota pesada sofrida por Victoria Azarenka (14.ª), diante da eslovaca Anna Karolina Schmiedlova (186.ª), que se impôs com um duplo 6-2. 

João Sousa despediu-se definitivamente de Paris, ao perder a primeira ronda de pares (fez dupla com o holandês Robin Haase), frente a Robert Lindstedt e Jordan Thompson: 2-6, 6-3 e 7-5.
 

Sugerir correcção