Zazu, o pinguim que nasceu em Lisboa, é a nova estrela do Oceanário

Um pequeno pinguim-de-Magalhães, depois da devida preparação pós-ninho, já entrou para o habitat do Antárctico. Os pais fazem ninho todos os anos desde a Expo-98.

expo98,animais,parque-nacoes,fugas,lisboa,conservacao-natureza,
Fotogaleria
O Zazu aqui com apenas 10 dias DR
expo98,animais,parque-nacoes,fugas,lisboa,conservacao-natureza,
Fotogaleria
O Zazu com a sua pelugem juvenil: aqui com 40 dias DR
expo98,animais,parque-nacoes,fugas,lisboa,conservacao-natureza,
Fotogaleria
Aos 14 dias DR

Nasceu em Maio, passou oito semanas ao cuidado dos pais, abandonou o ninho e entretanto foi preparado para habituar-se aos humanos e integrar a colónia. É Zazu, um pinguim-de-Magalhães, que agora o seu lar, o Oceanário de Lisboa, apresentou oficialmente ao mundo. 

É “filho do Buzzard e da Joy, um casal de pinguins com cerca de 30 anos de idade”, informa o Oceanário, indicando que, “desde 1998, todos os anos faz ninho no Habitat do Antárctico”.

Zazu é um pinguim macho e nasceu a 18 de Maio, tendo recebido o seu nome graças aos seguidores do Oceanário nas redes sociais, que tiveram a oportunidade de votar o baptismo.

Foto
Acabado de nascer: o pinguim com um dia DR

Nascido com apenas 90 gramas, já cresceu o suficiente para passar a viver na colónia do Parque das Nações, onde vivem “cerca de 30” pinguins.

Os visitantes do Oceanário poderão distingui-lo, indicam, “pela sua penugem juvenil, ainda acinzentada e bege, que contrasta com o resto da colónia, toda a preto e branco”.

Os pinguins-de-Magalhães, realça em comunicado o Oceanário, têm o estatuto de conservação “quase ameaçado”. A espécie, segundo Núria Baylina, curadora e directora de Conservação daquele espaço, "reproduz-se no Oceanário desde 1998 e os pais deste pinguim são um dos casais mais antigos da colónia”.

“Alguns dos animais nascidos no Oceanário mantêm-se na colónia mas outros fazem parte de colónias noutros aquários e zoos europeus. Estas movimentações de animais são importantes para a manutenção da variabilidade genética dentro das colónias e no conjunto da população presente nas instituições europeias”, afirma ainda a especialista. 

Ainda no âmbito juvenil: até final de Outubro, os visitantes com menos de 25 anos podem entrar no Oceanário pelo preço promocional de cinco euros.