“Geringonça” “matou” protestos sindicais e abriu a rua a novos protagonistas

A austeridade durante o Governo de Passos Coelho provocou as mais altas taxas de contestação das últimas duas décadas, enquanto a aliança à esquerda e a sua política de devolução de rendimentos reduziu os protestos ao mínimo.

Manifestação da cultura na Praça de Espanha em Outubro de 2012
Foto
Manifestação da cultura na Praça de Espanha em Outubro de 2012 evr enric vives-rubio

Os dois primeiros anos do Governo liderado por António Costa com o apoio do Bloco de Esquerda, PCP e Verdes foram os mais pacíficos em termos de contestação social que Portugal conheceu nas últimas duas décadas. Em 2015 contabilizaram-se apenas 44 iniciativas públicas como manifestações, greves, marchas e boicotes, e no ano seguinte apenas mais 15. Em contraponto, 2012 — o primeiro ano da troika em Portugal foi o ano mais conturbado deste século, com 250 protestos registados.