Biológico e nutritivo: assim deve ser o pequeno-almoço em família

“Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer”, diz a sabedoria popular. Acrescentamos apenas que, depois de cedo erguer, não há nada como um bom pequeno-almoço - nutritivo, tomado em família e, de preferência, biológico -, para que o dia comece da melhor forma.

estudio-p,
Foto
Getty Images

Enquanto Alice, a irmã mais velha, põe a mesa, o pequeno António está a calçar os sapatos. A mãe, Fernanda, está a terminar a primeira reunião do dia no Zoom e o pai, João, acaba de preparar a marmita para as crianças, enquanto Luís, o irmão do meio, ainda esfrega os olhos de sono. Em torno da mesa do pequeno-almoço trocam-se impressões sobre os programas do dia, desejam-se votos de boa sorte para os primeiros dias escolares, acertam-se as actividades do final da tarde - tudo isto enquanto todos comem com avidez os seus cereais de pequeno-almoço. Este podia ser o cenário de muitas famílias portuguesas.

Foi a marca NESTUM que trouxe o hábito de comer cereais ao pequeno-almoço, há mais de sessenta anos, tornando-se na primeira refeição do dia preferida das crianças e também dos adultos. Aliás, quem ainda se recorda dos primeiros anúncios na televisão portuguesa com NESTUM, sabe que aludiam a momentos de alegria e de pura felicidade.

Ao longo do tempo, NESTUM aprimorou a sua receita cativando as famílias portuguesas, mas também se preocupou em melhorar o seu produto. A prova disso está à vista: o novo NESTUM Bio Mel, o primeiro biológico da gama NESTUM, que continua comprometida em “melhorar a qualidade de vida e contribuir para um futuro mais saudável” de todos, tendo essa afirmação como premissa.

Os benefícios da produção biológica

Embora não se estabeleçam ainda evidências científicas de que o biológico é mais saudável, o certo é que a produção biológica dos alimentos o é, tal como explica Ana Leonor Perdigão, nutricionista da Nestlé, sobre este lançamento inédito. “Os alimentos biológicos resultam de modos de produção que combinam as melhores práticas em matéria ambiental e climática, promovendo a biodiversidade e a preservação dos recursos naturais, incluindo também a preocupação com o bem-estar animal” explica, acrescentando que “isto significa também que, do ponto de vista alimentar consumir produtos de produção local, que respeitam a sua época própria de produção (sazonalidade), produzidos com o mínimo de substância químicas e sem recurso a organismos geneticamente modificados (OGM’s) é uma excelente opção, mais próxima da naturalidade dos ingredientes e da sua riqueza natural.”

É neste alinhamento que o novo NESTUM Bio Mel se insere, já que é elaborado com mais de 90% de cereais naturais (farinha de trigo biológico e farinha de trigo hidrolisado biológico), sendo apenas adoçado com mel biológico (não têm sacarose adicionada), livre de corantes e conservantes. “Cuidadosamente seleccionados desde a origem e provenientes de agricultura biológica, [estes cereais] mantêm o respeito pelo meio ambiente e pela biodiversidade” reforça.

Biológico, “amigo” do meio ambiente e nutritivo

É cada vez mais frequente ouvirmos falar de produtos biológicos ou orgânicos e em Portugal estes produtos são já consumidos diariamente por cerca de 12% da população portuguesa, segundo dados do Inquérito Alimentar Nacional de Alimentação e Actividade Física 2015-2016. Mas, afinal, biológico e orgânico são conceitos equivalentes? Perguntam-se muitos dos consumidores, quando os termos vêm à conversa. A resposta é sim. “O termo Bio é mais usado na Europa e estes produtos embalados apresentam um selo na embalagem e são acompanhados pelo logótipo europeu da Agricultura Biológica e o código da entidade certificadora” explica esta nutricionista.

Também o exterior do novo NESTUM Bio Mel passa a ter mais vantagens. “Alinhada com essas características, a embalagem é reciclável (caixa de cartão e saqueta) na qual mais de 90% do cartão da embalagem é reciclado e o restante é proveniente de florestas sustentáveis” acrescenta.

Do ponto de vista nutricional, este é um pequeno-almoço que se adequa a todos lá em casa. “Uma refeição de NESTUM Bio Mel preparada com leite ou até uma bebida vegetal se for essa a preferência do consumidor fornece menos de 200 kcal e conjugado com uma peça de fruta constitui uma opção nutricionalmente equilibrada e uma óptima fonte de energia natural para toda a família” explica Ana Leonor Perdigão, sobre o novo produto.

Manhãs felizes, melhores hábitos, mais saúde

É nas pequenas mudanças que implementamos nas nossas vidas que vamos vendo as diferenças. Substituir um simples produto que utiliza muitos químicos na sua produção - seja ele de cariz alimentar ou higiénico - por outro isento deles, pode parecer redundante, mas a verdade é que esse hábito, por si só, já está a fomentar a mudança positiva. “Dizem os estudos que quem compra produtos Bio tem habitualmente padrões alimentares mais saudáveis, com um maior consumo de frutas, hortícolas, produtos integrais e leguminosas e menor consumo de carne vermelha e produtos processados. Estes consumidores são também, por norma, mais activos e tendem a ter um estilo de vida mais saudável” comenta Ana Leonor Perdigão, sobre a eleição da origem biológica.

“Por tudo isto, tudo indica que mais do que um comportamento alimentar a opção por produtos Bio faz parte de um modo de vida em que há mais atenção aos comportamentos promotores de saúde reflectindo-se nas suas várias dimensões” conclui. Pelo sim pelo não, testar é sempre uma boa ideia. Quem sabe, não será esse o tema da discussão entre a Alice, o António, o Luís, a Fernanda, e o João, no próximo pequeno-almoço de família. Afinal, manhãs energéticas são também manhãs positivas.

Sugerir correcção