Colonialismo, raça, género, sexo e Van Gogh no “diário” de Gauguin

Foi há mais de 100 anos que o pintor francês deu por terminado o seu livro de memórias, que é também um manifesto e um testamento, com quase 30 desenhos. A Courtauld Gallery, em Londres, vai mostrá-lo quando reabrir em 2021, já renovada. Nunca foi exposto.

gauguin,vincent-van-gogh,paul-gauguin,artes,culturaipsilon,pintura,
Fotogaleria
Desenho "À quoi penses tu, je ne sais pas" Cortesia: Courtauld Gallery
gauguin,vincent-van-gogh,paul-gauguin,artes,culturaipsilon,pintura,
Fotogaleria
Página com texto e detalhe de duas cabeças de jovens desenhadas a lápis e caneta Cortesia: Courtauld Gallery
gauguin,vincent-van-gogh,paul-gauguin,artes,culturaipsilon,pintura,
Fotogaleria
Desenho "Non dépourvues de sentiment" Cortesia: Courtauld Gallery

Para melhor entendermos do que fala Ernst Vegelin van Claerbergen, o director da Courtauld Gallery, quando diz que o volume de 213 páginas saídas das mãos de Paul Gauguin que acaba de entrar para a colecção deste museu londrino é o seu “último grande auto-retrato”, o “seu testamento”, é preciso recuar aos últimos anos de vida do pintor pós-impressionista.