Manifestantes lêem nomes dos mortos nos lares de Madrid: “Quantos mais têm de morrer?”

Houve casos de cadáveres colocados em quartos ocupados por utentes de lares de idosos. Manifestação em Madrid pede reformas urgentes para que o desastre não se repita.

pglobal,madrid,saude,mundo,espanha,europa,
Fotogaleria
Manifestação este sábado no centro de Madrid pela melhoria das condições nos lares de idosos Diogo Ventura
pglobal,madrid,saude,mundo,espanha,europa,
Fotogaleria
Diogo Ventura
pglobal,madrid,saude,mundo,espanha,europa,
Fotogaleria
Diogo Ventura
pglobal,madrid,saude,mundo,espanha,europa,
Fotogaleria
Diogo Ventura
mundo,
Fotogaleria
Diogo Ventura
mundo,
Fotogaleria
Diogo Ventura
mundo,
Fotogaleria
Diogo Ventura

Se soubesse o que sabe hoje, Valerio Gómez, de 60 anos, não teria colocado a sua mãe num lar para idosos. Aos 95 anos, foi uma das 20.300 vítimas mortais que a covid-19 fez nos lares de idosos em toda a Espanha desde o início da pandemia. O lar de Madrid onde se encontrava não deixou que o filho a retirasse nem permitiu que desse entrada num hospital. Estávamos em Abril, na fase mais aguda da pandemia, e as unidades de cuidados intensivos estavam a rebentar pelas costuras.