Catarina Martins saúda concordância de Rui Rio com propostas do BE

Em entrevista ao programa Polígrafo, da SIC Notícias, Rui Rio defendeu nova auditoria ao Novo Banco feita uma instituição “que seja de confiança”.

Catarina Martins comentou entrevista de Rui Rio, em Braga
Foto
Catarina Martins comentou entrevista de Rui Rio, em Braga LUSA/HUGO DELGADO

A coordenadora do Bloco de Esquerda saudou nesta terça-feira a concordância de Rui Rio com a comissão de inquérito e a auditoria ao Novo Banco, mas lembrou que o PSD “foi um dos obreiros da solução” para o BES. Em Braga, à margem de uma visita ao Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho, Catarina Martins disse agora esperar que o PSD “seja consequente” no Parlamento na hora da votação sobre a realização da comissão de inquérito.

“Registamos que, finalmente, o Bloco de Esquerda (BE) não está sozinho em algumas das coisas que tem vindo a dizer ao longo do tempo e isso é importante”, referiu Catarina Martins.

Na segunda-feira, em entrevista ao programa Polígrafo da SIC Notícias, o líder do PSD, Rui Rio, sugeriu que seja realizada uma auditoria ao Novo Banco por uma instituição pública como o Tribunal de Contas (TdC) e disse estar disponível para aprovar a proposta de comissão de inquérito feita pelo BE.

“O PSD foi um dos obreiros da solução para o BES, com o fundo de resolução (...). Ainda bem que o PSD compreende que foi um erro o que se fez até agora no BES e no Novo Banco. Teria sido importante há mais tempo, teria sido importante em 2014 não se ter feito o fundo de resolução”, reagiu a líder do BE, afirmando que essa solução custou “milhares de milhões de euros” aos contribuintes portugueses.

A criação de uma comissão de inquérito sobre o tema irá ser votada na próxima sexta-feira, com propostas no Parlamento de PS, BE, Iniciativa Liberal e Chega.

Catarina disse esperar que todos os partidos tenham noção da “absoluta necessidade de perceber o que se está a passar no Novo Banco e de travar o que tem sido a lesão do erário público, com uma gestão “no mínimo duvidosa”.

Em relação à auditoria, o BE defende que seja feita por uma “comissão pública” constituída pelo Banco de Portugal, a Inspeção-Geral de Finanças e o Tribunal de Contas, de forma a juntar competências legais às competências de investigação.

Sugerir correcção