Morreu Michael Chapman, um dos grandes directores de fotografia dos anos 1970

O também realizador tinha 84 anos e foi responsável pela fotografia de filmes como Taxi Driver, Touro Enraivecido, Hardcore ou O Fugitivo.

Foto
Michael Chapman em 2011 Frederick M. Brown/Getty Images

As luzes e a sujidade da Nova Iorque de Taxi Driver, de Martin Scorsese, ou as de Los Angeles e São Francisco de Hardcore, de Paul Schrader, não seriam as mesmas sem Michael Chapman. Foi Chapman, que morreu este domingo, na Califórnia, aos 84 anos, vítima de uma insuficiência cardíaca, o director de fotografia desses filmes. A notícia da sua morte foi anunciada no Twitter e no Instagram pela viúva de Chapman, a argumentista Amy Holden Jones, com quem estava casado há quatro décadas.

Chapman, que nasceu em 1935, em Wellesley, Massachusetts, começou como operador de câmara e foi também ele próprio realizador. A Glória de um Herói, o filme de futebol americano com o qual se estreou em 1983, convenceu Scorsese a usar Tom Cruise como protagonista de A Cor do Dinheiro. Como realizador, assinou também O Clã do Urso das Cavernas, de 1986, e The Viking Sagas, de 1995, bem como um filme-concerto de Peter Gabriel, Peter Gabriel: Live in Athens 1987.

A colaboração entre Chapman e Scorsese continuou, depois de Taxi Driver, em The Last Waltz, o filme-concerto da The Band, Touro Enraivecido, outra vez co-escrito por Schrader e um trabalho que lhe valeu uma nomeação para o Óscar de Melhor Fotografia, e o teledisco de Bad, de Michael Jackson. Para os Óscares, voltaria a ser nomeado uma vez mais em 1994,  aquando de O Fugitivo, de Andrew Davis. Foi também nomeado para um Emmy em 1976, pelo telefilme Death Be Not Proud, de Donald Wrye.

Foto
Montagem de imagens que constam da conta de Instagram da argumentista Amy Holden Jones, com quem Michael Chapman esteve casado durante quatro décadas

Do seu currículo constam filmes como O Último Dever, de Hal Ashby, de 1974, em cujo filme de estreia, The Landlord, tinha trabalhado como operador de câmara com o director de fotografia Gordon Willis, seu mentor nesse e em filmes como O Padrinho, de Francis Ford Coppola, ou Klute, de Alan J. Pakula. Ainda nos anos 1970, foi responsável pela fotografia de filmes de Philip Kaufman, incluindo o remake de A Invasão dos Violadores, de 1978, de Martin Ritt ou James Toback.

Na década seguinte, trabalhou com Robert Towne, o argumentista tornado realizador, e com dois realizadores também falecidos este ano: Carl Reiner, com quem filmou duas ambiciosas comédias, Cliente Morto Não Paga a Conta, uma paródia noir a preto e branco que usava excertos de filmes antigos, e O Homem dos Dois Cérebros, e Joel Schumacher, no ultra-comercial Rapazes da Noite.

Dois filmes protagonizados por Bill Murray, SOS Fantasmas, de Richard Donner, e o segundo Os Caça-Fantasmas, de Ivan Reitman, levaram-no a trabalhar como director de fotografia de Um Assalto Genial, até hoje o único crédito do actor cómico na realização, partilhado com Howard Franklin. Voltou a trabalhar com Reitman nos anos 1990 e 2000, em O Polícia no Jardim Escola, Seis Dias, Sete Noites e Evolução.

Ainda mais longe do contexto da sujidade da Nova Hollywood em que tinha começado nos anos 1970, foi director de fotografia de Space Jam, a comédia de Joe Pytka com Michael Jordan que juntava imagem real e animação. Também esteve envolvido em filmes como A Raiz do Medo, de Gregory Hoblit, e Vida a Dois, de Rob Reiner. O seu derradeiro crédito como director de fotografia foi em 2007, em O Segredo de Terabítia, de Gabor Csupo.

Em reacção à morte do colega, Paul Schrader escreveu no Facebook: “Um artista e um amigo. A tua falta é sentida. Estão a acabar com a banda, velho amigo”. Num comunicado publicado no site Movie City News, Martin Scorsese também reagiu: “Considero-me muito afortunado por ter podido trabalhar com o Michael Chapman. Eu e o Michael fizemos três filmes juntos — Taxi DriverThe Last Waltz e Touro Enraivecido, e ele trouxe algo raro e insubstituível a cada um deles. Lembro-me quando o Taxi Driver saiu e o Michael ficou conhecido como um ‘poeta das ruas’ (...) Foi o Michael quem controlou realmente a paleta visual do The Last Waltz, e no Touro Enraivecido ele e a equipa dele enfrentaram cada desafio — e houve muitos. Um dos maiores foi filmar a preto e branco, o que o Michael nunca tinha feito antes, um facto que ainda me surpreende. A relação dele com a câmara e a película que corria por ela era íntima, misteriosa, quase mística. Ele era um grande artista, e entristece-me que não vá poder vê-lo outra vez.”