PS admite que a escolha dos candidatos autárquicos passe por primárias

O primeiro teste é a 15 de Novembro, em Vila do Conde. É a primeira vez que o partido arrisca uma candidatura autárquica através de primárias.

Foto
Líder do PS-Porto defende primárias para a escolha de candidatos autárquicos Andre Rodrigues

O candidato socialista à Câmara de Vila do Conde vai ser escolhido através de eleições directas no próximo dia 15 de Novembro. O PS local quer candidatar o presidente da comissão política, mas o próprio fez saber que só está disponível para avançar se houver primárias. “A vontade de me candidatar existe, mas a escolha terá de ser através de um universo mais alargado que envolva militantes e simpatizantes do partido”, disse Vítor Costa, rejeitando que a escolha seja feita apenas pela estrutura à qual preside, como aconteceu até aqui.

“É a primeira vez que um partido do arco parlamentar escolhe um candidato a uma câmara municipal por eleições primárias, isto é, com abertura à participação de simpatizantes”, afirmou o presidente da distrital do PS-Porto, Manuel Pizarro, referindo que agora é o momento dos cidadãos de Vila do Conde darem a resposta.

“Percebemos que as pessoas querem ter um maior envolvimento nas decisões e achamos que as primárias são mesmo um bom instrumento para se sintam parte activa nas decisões”, declarou o dirigente e eurodeputado, deixando a porta aberta a uma nova forma de o partido escolher os candidatos autárquicos no futuro.

Manuel Pizarro aproveitou para lançar um apelo aos militantes e simpatizantes do partido para que participem nas eleições primárias de Vila do Conde. “É um acto profundamente democrático e podemos estar aqui perante uma mudança histórica em relação à forma como os partidos escolhem os candidatos que passa por dar poder aos cidadãos”, declarou ao PÚBLICO Manuel Pizarro, no final da conferência de imprensa que o PS promoveu, esta segunda-feira, em Vila do Conde, para anunciar a realização de primárias em 15 de Novembro.

Vítor Costa, presidente da comissão política do PS de Vila do Conde, diz que as eleições primárias “são um processo absolutamente inédito e que espera que os militantes e simpatizantes respondam de forma positiva a esta boa provocação”. “O PS deveria fazer das primárias uma prática comum naquelas que são as eleições mais próximas das pessoas”, defendeu em declarações ao PÚBLICO.

“Quero a participação activa de todos os militantes e de todos os vila-condenses na escolha do candidato autárquico”, reafirma o professor de Matemática no Instituto Superior de Engenharia do Porto, que é também investigador no Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, que deseja que haja outros candidatos disponíveis para disputar as primárias no concelho em Novembro.

O presidente da comissão eleitoral, Pedro Bacelar de Vasconcelos, que integra a Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas da Assembleia da República, destaca a importâncias das primárias, numa “época tão complicada em que o papel dos partidos e os valores democráticos são postos em causa por movimentos da extrema direita. É uma medida louvável no sentido da abertura do partido através de um processo transparente”.

Ao PÚBLICO, Pedro Bacelar de Vasconcelos realça que a eleição através de primárias é “um sinal de abertura sem complexos à participação da sociedade civil. É uma forma inteligente de mobilizar as pessoas dentro e fora do partido. Esta experiência pode servir de exemplo e de motivação para o envolvimento dos cidadãos nos processos políticos”.

As eleições primárias para a escolha do candidato do PS à presidência da Câmara de Vila do Conde estão marcadas para 15 de Novembro e os simpatizantes devem inscrever-se no partido duas semanas antes para participar no acto eleitoral.