Porto: daqui houve nome Portugal

Não se entende o Porto sem Gaia, por isso é apropriado que a UNESCO tenha incluído a Serra do Pilar na sua classificação. Mas o seu centro irradiador é mesmo o morro da Sé, que se foi expandindo até à Ribeira: é dali que houve Porto e é por aí que caminhamos acompanhados por histórias de conflitos entre bispos, burgueses e reis.

Portugal
Fotogaleria
Ribeira do Porto visto de Gaia Paulo Pimenta
reabilitacao-urbana,unesco,historia,fugas,patrimonio,porto,
Fotogaleria
Vistas a partir da Sé da Torre dos Clérigos e Mosteiro de São Bento Paulo Pimenta
reabilitacao-urbana,unesco,historia,fugas,patrimonio,porto,
Fotogaleria
Rua da Nossa Senhora Paulo Pimenta
reabilitacao-urbana,unesco,historia,fugas,patrimonio,porto,
Fotogaleria
Largo da Sé Paulo Pimenta
Fotogaleria
Os turistas e a Igreja de São Bento da Vitória vista da Sé Paulo Pimenta
Fotogaleria
Na Ribeira do Porto Paulo Pimenta
Fotogaleria
Turistas na Ribeira do Porto Paulo Pimenta
Atração turística
Fotogaleria
Sé Catedral Paulo Pimenta
Fotogaleria
O centro histórico do Porto é Património Mundial pela UNESCO desde 1996 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Pelas ruas do centro histórico da cidade Paulo Pimenta
Espaço público
Fotogaleria
Pelas ruas do centro histórico Paulo Pimenta
Fotogaleria
Largo da Sé Catedral Paulo Pimenta
Fotogaleria
Igreja e Colégio de São Lourenço, mais conhecida como “Igreja dos Grilos” Paulo Pimenta

Há um tocador de banjo encostado à Torre dos 24, há um tocador de guitarra na escada rente ao Paço Episcopal. Pelo Terreiro da Sé do Porto há turistas em tempos de pandemia para todos os gostos – com e sem máscara , fazendo o mesmo de sempre: aproximando-se das bordas para as inevitáveis fotos. É o rio, é o casario da Sé até à Ribeira, é o morro da Vitória que se avistam desde aqui. Aqui é donde houve Porto, e daqui avista-se a zona mais icónica do Porto Património Mundial da Unesco. Já percorreremos uma parte deste, por enquanto sentamo-nos nos degraus do “pelourinho manuelino construído na década de 1940”. Até então, não havia terreiro, conta o historiador e docente da Universidade do Porto Luís Miguel Duarte, estava tudo construído até mais ou menos 1,5 metros da porta, havia açougues e tudo. “Foi tudo destruído para construírem a esplanada” que “dá outra visibilidade à Sé, ao Cabido e Paço Episcopal”.