Um Circular para afirmar o lugar da dança, sem tirar os olhos da música

A partir deste sábado e até dia 26, a 16.ª edição do festival leva a Vila do Conde criadores como Vera Mantero, Angélica Salvi, Miguel Bonneville e Volmir Cordeiro.

performance,vera-mantero,artes,culturaipsilon,danca,musica,
Foto
Improvisação é um veículo privilegiado para a criação entre Luís Guerra e Vera Mantero Margarida Ribeiro / Circular Festival de Artes Performativas

Sem partitura coreográfica, sem dramaturgia escrita a priori, sem desenho de luz nem composição musical. Apenas dois corpos, num primeiro encontro em palco, e as danças que os habitam naquele momento. A peça de abertura da 16.ª edição do Circular Festival de Artes Performativas junta, pela primeira vez em cena, os coreógrafos e bailarinos Luís Guerra e Vera Mantero num trabalho de improvisação. Numa altura em que o quotidiano é balizado pelas normas do novo pacto social da covid-19, Pintura Transparente Sobre Tela Invisível, em estreia absoluta este sábado no Auditório Municipal de Vila do Conde, tem qualquer coisa de libertador, um sabor a uma pequena desforra: sem regras fixas (a não ser a do devido distanciamento entre os dois bailarinos), vive “muito do instinto”, de um diálogo desprendido e in-progress.