Anne Schwanewilms: “Canto para mostrar a minha alma e é sempre uma dádiva”

A celebrada soprano alemã será protagonista do concerto inaugural da nova temporada da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Sinfonia nº.4 de Mahler este domingo, no Centro Cultural de Belém.

peter-eotvos,pedro-amaral,orquestra-metropolitana-lisboa,culturaipsilon,centro-cultural-belem,musica,
Fotogaleria
diogo ventura
peter-eotvos,pedro-amaral,orquestra-metropolitana-lisboa,culturaipsilon,centro-cultural-belem,musica,
Fotogaleria
diogo ventura

Terminou o ensaio da manhã e Anne Schwanewilms já falou com o PÚBLICO. Nome de relevo no cenário contemporâneo, associada principalmente às óperas de Wagner e a Richard Strauss, mas reconhecida também pela forma como dá vida às lieder de Mahler ou Schönberg, percorre os bastidores do Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB) com a mesma leveza e descontracção com que vai cantando melodias improvisadas, que parecem resposta a sons banais com que se vai deparando — um toque de telemóvel, uma porta que se abre. Uma leveza feliz.