A política na Bolívia é um jogo sujo que Morales não pode jogar

Quase um ano depois do seu exílio, o ex-Presidente boliviano já foi acusado de tudo, de pedofilia a terrorismo, e nem o deixam ser candidato. Mas os ataques de Jeanine Áñez e do seu Governo não aumentam a pouca popularidade da Presidente interina para as eleições de Outubro. A ponto de ter acabado por desistir da sua candidatura.

Luís Arce, candidato do MAS, de Evo Morales, favorito na corrida presidencial de 18 de Outubro
Fotogaleria
Luis Arce, candidato do MAS, de Evo Morales, favorito na corrida presidencial de 18 de Outubro Martin Alipaz/EPA
mundo,justica,eleicoes,evo-morales,bolivia,america,
Fotogaleria
Jeanine Áñez numa cerimónia com a polícia junto ao palácio presidencial c

Jeanine Áñez não resistiu à pressão e aceitou na quinta-feira desistir da corrida à presidência da Bolívia. Incapaz de descolar nas intenções de voto, criticada por estar a dividir o campo mais à direita e com a possibilidade de poder contribuir para que Luis Arce, o candidato do partido do ex-Presidente Evo Morales, ganhasse na primeira volta, a Presidente interina deu o braço a torcer e retirou-se.