Torne-se perito

Bispo de Viana do Castelo morre em despiste na A2 em Almodôvar

Anacleto Oliveira era bispo de Viana do Castelo há dez anos.

acidentes,beja,igreja-catolica,local,gnr,
Foto
Paulo Pimenta

O bispo de Viana do Castelo, Anacleto Oliveira, de 74 anos, morreu esta sexta-feira na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Autoestrada 2 (A2) perto de Almodôvar, no distrito de Beja, disse à Lusa fonte da diocese.

A mesma fonte lamentou a morte inesperada do bispo e adiantou que em breve vai ser emitida uma nota à imprensa.

Anacleto Oliveira celebrou, em Agosto, 50 anos de ordenação e 10 anos como bispo de Viana do Castelo.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja disse à Lusa que o alerta para o acidente foi dado às 11h29.

Fonte da GNR indicou que o óbito foi declarado no local, tendo o corpo sido encaminhado para o serviço de Medicina Legal do hospital de Beja, e que o homem era o único ocupante do veículo ligeiro de passageiros.

Segundo a mesma fonte, o acidente ocorreu ao quilómetro 200 da A2, no sentido sul-norte, entre São Bartolomeu de Messines e Almodôvar.

Foram mobilizados, de acordo com o CDOS, bombeiros e veículos das corporações de Almodôvar e São Bartolomeu de Messines, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Albufeira e elementos da Brisa, além da GNR, num total de 16 elementos, apoiados por seis viaturas.

O acidente já havia sido referido à Lusa pela GNR, mas sem aludir ao facto de a vítima mortal ser o clérigo.

Conferência Episcopal lamenta perda de “mente aberta e esclarecida"

Em comunicado, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) refere que recebeu com “grande tristeza” a “inesperada notícia” da morte de Anacleto de Oliveira.

“Eram conhecidas as competências de D. Anacleto como biblista e homem de cultura, constantemente atento às realidades concretas da nossa sociedade, extremamente dedicado aos sacerdotes e aos fiéis que servia pastoralmente, sempre solícito nas acções comuns da Igreja em Portugal”, afirma o comunicado da CEP.

Em declarações à Ecclesia, o presidente da CEP e bispo de Setúbal, José Ornelas, afirmou que recebeu com choque a morte de “um grande bispo e um grande amigo”, deixando uma nota de gratidão pelo seu “trabalho muito fecundo na diocese e na Igreja portuguesa”. “Quero manifestar à família e à Igreja de Viana do Castelo, a que ele presidia, as nossas condolências e a solidariedade da Igreja portuguesa”, disse.

Também em declarações à Ecclesia, o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, manifestou “tristíssima surpresa” pela morte do bispo de Viana do Castelo, elogiando o “seu trabalho, quer na diocese quer na Conferência [Episcopal], concretamente no âmbito da Liturgia, um trabalho sempre incansável, exigente, meticuloso, generoso”.

Notícia actualizada às 23h44 com reacção da Conferência Episcopal Portuguesa.

Sugerir correcção