Uma Penelope para a última exposição de Penelope Curtis na Gulbenkian

A exposição, que ocupa a galeria principal e tem entrada livre, mostra a colecção de moldes de gesso da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa em diálogo com as obras de 16 artistas contemporâneos.

francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
"Rebekhah" (2012), de Simon Fujiwara
francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
"Penelope" (2018), de Francisco Tropa
francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
Gessos da Colecção da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa
francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
Colecção das Belas-Artes
francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
Obra da artista escocesa Christine Borland
francisco-tropa,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,artes,culturaipsilon,escultura,
Fotogaleria
Obra de Xavier Veilhan

Guilherme d’Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, fez questão de dizer umas breves palavras na apresentação aos jornalistas da primeira exposição temporária que abre esta sexta-feira na sede de Lisboa terminado o confinamento: “Apesar de todas as dificuldades e de todos os condicionamentos da pandemia, a fundação não pára. Considera que é indispensável continuarmos a nossa programação cultural. A fundação tem um grande empenhamento para que a cultura não seja desvalorizada, para que esteja na primeira linha. O que obriga a um grande esforço, naturalmente, que estamos dispostos a fazer.”