Um regresso às aulas com direito a tudo: chuva, “caos”, “desorganização”, mas também ordem

Na manhã desta quinta-feira, quando mais de um milhão de alunos regressaram às aulas, a confusão foi muita em algumas escolas de Lisboa e do Porto. Num ano lectivo cheio de novas regras e muitas incertezas, os pais queixam-se que não estão bem informados e que é difícil respeitar as medidas dentro dos recintos. Já os responsáveis das escolas garantem que tudo correu pelo melhor.

educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Alunos a entrarem na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, por volta da hora de almoço Diogo Ventura
educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Aluno a sair da Escola Secundária Pedro Nunes, Lisboa, por volta da hora de almoço Diogo Ventura
educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Alunos em frente à Escola Secundária Pedro Nunes, Lisboa, por volta da hora de almoço Diogo Ventura
educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Alunos a entrarem de manhã na Escola Pedro Nunes, Lisboa LUSA/TIAGO PETINGA
regresso-aulas,covid19,alunos,educacao,sociedade,escolas,
Fotogaleria
Secundária Clara de Resende, no Porto, à hora do almoço Nelson Garrido
educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Escola Fontes Pereira de Melo, no Porto Nelson Garrido
educacao,sociedade,porto,lisboa,sindicatos-professores,escolas,
Fotogaleria
Secundária Clara de Resende, no Porto, na tarde desta quinta-feira Nelson Garrido

Relatos de filas grandes para entrar nas escolas. Miúdos à chuva. Expressões como “caos”, “alguma desorganização” e “confusão": nesta quinta-feira, o regresso às aulas, em diferentes escolas de Lisboa e do Porto, aconteceu, nuns momentos, de forma mais confusa; noutros, mais ordeira. Em algumas situações, os constrangimentos relatados por pais verificaram-se apenas no momento de entrar na escola. O presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, não tem, porém, conhecimento de que os ajuntamentos de alunos e pais à porta dos estabelecimentos escolares seja um problema generalizado.