Exames nacionais: na segunda fase a maior parte das disciplinas manteve-se em terreno positivo

Por comparação a 2019, registou-se “uma diminuição muito significativa” no número de provas realizado na 2.ª fase, que passou de 107.807 para 41.637.

Foto
este ano os exames nacionais só servem como provas de ingresso no superior PAULO PIMENTA

O exame de Desenho A do 12.º ano foi a prova com a média mais elevada da 2.ª fase, cujos resultados foram conhecidos nesta quarta-feira. Os 461 alunos que compareceram no exame realizado já este mês arrecadaram uma média de 13,9 numa escala de 0 a 20 valores. Na 1.ª fase tinham conseguido chegar aos 14,7 com 3669 provas realizadas.

Na nota escrita que acompanha os resultados, o Júri Nacional de Exames (JNE) sublinha a propósito que, “por regra, os resultados da 2.º fase são inferiores aos da 1.ª fase”. Este ano a excepção foi Economia A, o único exame “que apresenta resultados superiores aos observados na 1.ª fase”: a média passou de 12,6 para 12,9 para um total de provas que foi, respectivamente, 12.202 e 2859.

O JNE destaca, por outro lado, que nesta última fase houve quatro disciplinas com médias negativas (inferiores a 9,5 valores). São elas Português Língua Segunda (8,7), Latim A (5,1), Matemática B (8,7) e Matemática Aplicada às Ciências Sociais (9). Nas duas primeiras disciplinas apenas realizaram exame 1 e 2 alunos, respectivamente.

Na 1.º fase dos exames nacionais não se registaram resultados negativos, sendo a média mais baixa a registada em Matemática Aplicada às Ciências Sociais: 9,5 valores. No conjunto, as médias subiram três valores, um feito que já não se registou na 2.ª fase. Por exemplo, no exame de Física e Química A, a média ficou a rasar a negativa (9,8 valores) quando na 1.º fase tinha chegado aos 13,2 (mais 3,2 do que em 2019).

Os exames mais concorridos nesta 2.ª fase foram os de Matemática A (8720 provas), Português (7503), Física e Química A (6840) e Biologia e Geologia (6816). A média de Matemática A desceu de 13,3 para 12 valores, Português passou de 12 para 10,6 e Biologia e Geologia de 14 para 11,2.

Pouca afluência

Matemática A e Geometria Descritiva foram as provas que, em simultâneo, se destacaram no topo e na base da escala de classificação. Foram as que tiveram mais alunos a conseguir a média máxima de 20 valores, respectivamente 244 e 32. Mas também aquelas em que mais não foram além de dois valores. Aconteceu com 364 alunos na prova de Matemática A e com 241 na de Geometria Descritiva.

Na 1.ª fase, onde no geral o número de notas máximas duplicou face a 2019, estas duas disciplinas estiveram no pelotão da frente no que toca a médias de 20 valores: 1399 em Matemática A e 545 a Geometria Descritiva. Só que também foram muitos os que tiveram médias entre 0 e 2 valores: 766 e 871, respectivamente.

No total foram realizadas 41.637 provas na 2.ª fase, o que constitui “uma diminuição muito significativa relativamente ao ano transacto, com 107.807 provas”, destaca o JNE.

A quebra de afluência já era previsível dada a subida dos resultados na 1.ª fase, reduzindo-se assim o universo daqueles que costumam tentar a sorte na segunda leva: quem chumbou nas provas anteriores e os que pretendem subir as notas.

Para a redução do número de alunos na 2.ª fase também contribuiu o facto de os exames este ano servirem apenas de provas de ingresso no ensino superior, o que também levou a uma redução substancial do número de alunos na 1.ª fase: por comparação a 2019, foram realizadas quase menos 100.000 provas.

Para efeitos de acesso ao superior quem faz exames na 2.ª fase também fica catapultado para a segunda fase do concurso nacional, onde geralmente já se encontram esgotadas as vagas para os cursos mais cobiçados.

A 2.ª fase do concurso de acesso começa a 28 de Setembro.