Ex-presidente do atletismo mundial condenado por corrupção

Senegalês Lamine Diack, de 87 anos, cumprirá uma pena de quatro anos de prisão, tendo ainda sido multado em 500 mil euros.

Foto
Lamine Diack, de 87 anos, foi sentenciado com pena de prisão de quatro anos, dois efectivos Reuters/CHARLES PLATIAU

O senegalês Lamine Diack, antigo presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo, actual World Ahletics, foi esta quarta-feira condenado a quatro anos de prisão, dois dos quais efectivos, por corrupção.

Lamine Diack, que esteve à frente da então designada IAAF entre 1999 e 2015, foi condenado por um tribunal de Paris pelo crime de corrupção, num esquema que visava ocultar os casos de doping na Rússia.

O senegalês, de 87 anos, considerado culpado de corrupção activa e passiva, e de abuso de confiança, foi ainda multado em 500.000 euros, numa sentença passível de recurso.

Em Junho, o antigo dirigente admitiu em tribunal ter decidido suspender processos disciplinares por doping contra atletas russos para “salvar a saúde financeira” do organismo que liderou.

“A saúde financeira [da IAAF] tinha de ser protegida e eu estava pronto a fazer esse transigência”, disse o senegalês.

Diack, a principal figura no processo que envolve acusações de corrupção, abuso de poder, lavagem de dinheiro e associação criminosa, negou qualquer relação entre a “gestão” dos casos de doping russos e um financiamento de 1,5 milhões de dólares (cerca de 1,3 milhões de euros) para as eleições de 2012.

Durante a fase de investigação, Diack já tinha admitido que as sanções à Rússia foram “geridas” para não manchar a imagem do país antes do Mundiais de 2013, disputados em Moscovo, numa altura em que a IAAF negociava contratos de patrocínios e transmissões televisivas.

O adiamento de algumas sanções permitiu que alguns atletas participassem nos Jogos Olímpicos de Londres de 2012 e conquistassem várias medalhas.