Torne-se perito

Trump desvaloriza papel das alterações climáticas nos incêndios, Biden chama-lhe “incendiário”

Presidente norte-americano diz que o tempo “vai acabar por arrefecer” e culpa a gestão florestal pelos fogos que devastam parte dos EUA desde Agosto. Candidato do Partido Democrata alerta para o perigo de “mais quatro anos de negação das alterações climáticas”.

america-norte,eua,mundo,america,incendios-florestais,alteracoes-climaticas,
Fotogaleria
Donald Trump numa reunião com o governador da Califórnia, Gavin Newsom JONATHAN ERNST/Reuters
america-norte,eua,mundo,america,incendios-florestais,alteracoes-climaticas,
Fotogaleria
Trump disse na Califórnia que "o tempo vai arrefecer" e diz que a ciência não sabe o que ele sabe JONATHAN ERNST/Reuters
america-norte,eua,mundo,america,incendios-florestais,alteracoes-climaticas,
Fotogaleria
Joe Biden numa acção de campanha em Wilmington, no Delaware LEAH MILLIS/Reuters/

Com a costa Oeste em chamas, as alterações climáticas entraram de rompante na campanha das eleições presidenciais nos Estados Unidos, com o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, a afirmar que Donald Trump é um “incendiário climático”, enquanto o Presidente norte-americano voltou a mostrar o seu cepticismo em relação à ciência e a culpar a má gestão florestal pelos incêndios.

Depois de várias semanas de silêncio em relação aos fogos na Califórnia, que já causaram pelo menos 27 mortos naquele estado norte-americano e levaram a que milhares de pessoas tivessem de fugir das suas casas, deixando um rasto de destruição à passagem das chamas, com milhares de hectares queimados, Donald Trump aterrou em Sacramento, onde se reuniu com as autoridades locais.

Conhecido por desvalorizar e até negar as alterações climáticas, o Presidente norte-americano começou por falar em má gestão florestal como a causa principal dos incêndios.

“Quando as árvores caem, depois de um período curto de tempo, ficam muito secas, ficam como um fósforo”, afirmou Trump. “E também podem explodir. Além das folhas, quando temos folhas secas no chão, são um rastilho para os incêndios”, acrescentou. 

O Governador da Califórnia, Gavin Newsom, do Partido Democrata, segundo o New York Times, reconheceu que a gestão florestal precisa de ser melhorada, no entanto, sublinhou que apenas 3% do território da Califórnia está sob controlo estatal, enquanto 57% do território florestal está sob responsabilidade federal.

Ao lado do Presidente, Newsom reforçou que “as alterações climáticas são reais e que estão a exacerbar” o perigo, enquanto Trump afirmou que o tempo “vai acabar por arrefecer”. “Espero que a ciência concorde consigo”, respondeu Wade Crowfoot, secretário da Agência de Recursos Naturais. “Não acredito que a ciência saiba”, retorquiu Trump.

Por seu lado, Joe Biden, numa acção de campanha em Wilmington, no Delaware, onde vive, criticou a resposta de Donald Trump às alterações climáticas, um fenómeno que segundo os especialistas tem contribuído para a devastação causada pelos incêndios na costa Oeste, alertando para o perigo de um segundo mandato do actual inquilino da Casa Branca.

“Se tivermos mais quatro anos de negação das alterações climáticas por parte de Trump, quantos subúrbios serão queimados nos incêndios florestais? Quantos bairros ficarão inundados? Quantos subúrbios serão destruídos por tempestades?”, questionou o candidato do Partido Democrata.

“Se déssemos mais quatro anos na Casa Branca a um incendiário climático, alguém ficaria surpreendido se tivéssemos uma América ainda mais devastada pelas chamas?”, acrescentou. “É claro que não estamos seguros na América de Donald Trump.”

Desde o início de Agosto, os incêndios na costa Oeste, nos estados da Califórnia, Oregon e Washington já causaram pelo menos 35 mortos e obrigaram milhares de pessoas a fugirem das suas casas. A região está envolta numa enorme nuvem de fumo, expondo milhões de pessoas à poluição do ar.

Os estados do Oeste mais atingidos pelos incêndios têm enfrentado temperaturas bastante elevadas, além do vento forte que dificulta o trabalho dos bombeiros. No Sul dos Estados Unidos, milhares de pessoas, particularmente nos estados do Alabama, Louisiana e Florida, preparam-se para enfrentar tempestades e inundações com a chegada do furacão Sally, condições meteorológicas extremas para as quais os especialistas têm alertado como consequências das alterações climáticas.