Transparência e Integridade acusa magistrados de não aplicarem pena acessória de inelegibilidade

João Paulo Batalha aponta omissões à estratégia de combate à corrupção do Governo, nomeadamente as questões relacionadas com a corrupção.

Foto
João Paulo Batalha está de saída da presidência da Transparência e Integridade Enric Vives-Rubio

O presidente da Transparência e Integridade — Associação Cívica (TIAC), João Paulo Batalha, considera pouco ambiciosa a Estratégia Nacional de Combate à Corrupção que a ministra da Justiça apresentou recentemente e revela que há questões importantes como a “corrupção política, a regulação de conflitos de interesses e o financiamento dos partidos” que deviam estar mais presentes na proposta.