entrevista,literatura,culturaipsilon,livros,polonia,europa,
Entrevista

Sharon Cameron quer que todos respondamos: “O que é que eu vou fazer contra o ódio agora mesmo?”

Baseada na história verídica de Stefania Podgórska, uma jovem polaca católica de 16 anos, que arriscou a vida ao esconder 13 judeus no sótão de sua casa, durante a Segunda Guerra Mundial, a obra da escritora norte-americana chegou a Portugal em Julho, pela mão da editora Planeta. A autora diz que esta é muito mais do que uma história sobre a Segunda Guerra Mundial, e que o exemplo de humanidade da jovem deve sobressaltar-nos a todos.

Sharon Cameron já tinha cinco livros publicados, vários dos quais na lista de best-sellers do The New York Times, quando foi em busca de Stefania Podgórska. A escritora norte-americana, conhecida pelas suas histórias recheadas de fantasia e ficção científica, destinadas a “jovens adultos”, sentiu que tinha chegado a hora de procurar a mulher cuja história tinha ouvido mais de 20 anos antes e que nunca conseguira esquecer. Aos 16 anos, a jovem católica polaca, decidiu abandonar a quinta da família e mudar-se para a cidade de Przemyśl, onde foi acolhida por uma família judaica, os Diamand. Apanhada pelo turbilhão da Segunda Guerra Mundial, viu esta família ser fechada no gueto da pequena cidade e, mais tarde, alguns dos seus membros serem deportados e mortos. Ao descobrir que a irmã Helena, de seis anos, fora entregue a vizinhos que a maltratavam, depois de a mãe das jovens ter sido levada para o trabalho forçado na Alemanha, levou-a consigo para Przemyśl e é aí que as duas escondem no sótão da casa onde vivem 13 judeus, salvando-os da morte certa. Um deles, Max Diamand, acabaria por casar-se com Stefania, e sob um novo nome, Josef Burzminski, dar-lhe-ia dois filhos, partilhando o casal o resto da vida nos Estados Unidos, para onde emigrou alguns anos depois da guerra. Intrigada pela forma como a história de Stefania nunca a abandonou, até se tornar no seu mais recente romance, a autora admite, em entrevista ao Ípsilon: “Eu queria acreditar que podia ser aquela pessoa”. A versão portuguesa do livro publicado em Março nos Estados Unidos, Uma Luz na Escuridão, chegou às livrarias em Julho, com a chancela da Planeta. “Percebi que estava perante uma história que não era só sobre a Segunda Guerra Mundial. É sobre agora, é sobre todos nós.”