Computadores prometidos aos alunos começam a chegar “ainda no 1.º período”

As empresas de hardware têm a capacidade de fornecimento limitada devido ao aumento de procura, justifica o secretário de Estado da Educação, João Costa. Serão adquiridos 1,5 milhões de equipamentos ao abrigo do programa Escola Digital, que tem um orçamento de 400 milhões de euros.

Foto
Sergio Azenha

Os computadores que o Governo tinha prometido para o arranque do ano lectivo vão começar a chegar aos alunos “ainda no 1.º período”, prometeu o secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, durante um debate online promovido pelo PÚBLICO, nesta quinta-feira. As empresas de hardware têm a capacidade de fornecimento limitada devido ao aumento de procura, justifica. A distribuição começará pelos alunos mais carenciados.

João Costa não se quis comprometer com uma data específica, avançando apenas que a distribuição dos equipamentos informáticos, ao abrigo do programa Escola Digital, começará a ser feita durante o 1.º período, que começa oficialmente na próxima segunda-feira e se prolonga até Dezembro. Os primeiros computadores serão destinados aos alunos mais carenciados, sendo depois generalizada. Em Abril, o primeiro-ministro tinha prometido “iniciar o próximo ano lectivo assegurando o acesso universal à rede e aos equipamentos a todos os alunos dos ensinos básico e secundário”.

O secretário de Estado da Educação admite “constrangimentos” na concretização do programa, desde logo uma “grande redução da capacidade de fornecimento” por parte das empresas de hardware, tendo em conta o aumento da procura por equipamentos informáticos por causa da pandemia. O processo está, no entanto, “em marca muito acelerada” e o processo de aquisição encontra-se em curso, garante João Costa. Em causa está a compra de cerca de 1,5 milhões de equipamentos e o objectivo do Ministério da Educação continua a ser o de chegar “a todos os alunos e professores”, assegura o governante. 

Em Julho, quando a medida foi aprovada em Conselho de Ministros, o Governo anunciou que os equipamentos vão ser disponibilizados ao longo dos anos 2020 e 2021. O programa Escola Digital tem um orçamento de 400 milhões de euros.

Além de compra de computadores e de serviços de ligação à Internet para escolas e alunos, o Escola Digital serve ainda para reforçar a cobertura de rede, a aquisição de software e para dois outros programas: um destinado a desenvolver a “capacitação digital dos docentes” e outro para a desmaterialização dos manuais escolares. No debate do PÚBLICO, João Costa afirmou que as negociações com as operadoras de telecomunicações e com as editoras estão ainda em curso.

Os directores das escolas públicas têm vindo a alertar para a necessidade de um investimento no seu parque tecnológico. A maioria das escolas “não têm computadores novos desde o Plano Tecnológico”, lançado no Governo de José Sócrates, e oferecem aos alunos “equipamentos com menos condições” do que aqueles a que muitos conseguem aceder nas suas casas, lembrava Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Directores Escolares ao PÚBLICO, quando a medida foi anunciada pelo Governo em Junho.