A selecção portuguesa tem sobrevivido bem sem Ronaldo

CR7 já estará recuperado da infecção no pé direito, mas Fernando Santos não garante a sua utilização frente à Suécia, em Estocolmo, em jogo a contar para a Liga das Nações. Avançado da Juventus pode chegar aos 100 golos pela selecção.

seleccao-nacional,liga-nacoes,futebol,desporto,futebol-internacional,
Foto
Ronaldo em acção no treino da selecção portuguesa LUSA/MÁriO CRUZ

Uma infecção no pé direito deixou Cristiano Ronaldo de fora do jogo com a Croácia no Dragão, mas a selecção portuguesa “sobreviveu”, triunfando de forma convincente por 4-1 na primeira jornada do Grupo 3 da Liga das Nações A, e fazendo da ausência de CR7 um não-problema. A julgar pelas palavras de Fernando Santos, a infecção no pé direito de Ronaldo desapareceu e tudo indica que o avançado da Juventus poderá aproveitar o jogo desta terça-feira (19h45, RTP1), em Estocolmo, frente à Suécia, para chegar aos 100 golos pela selecção portuguesa – tem 99 em 164 jogos. Mas se não jogar Ronaldo, como se viu pela forma como a selecção arrasou o vice-campeão do mundo, vai entrar na mesma com 11 e não se vai sentir inferiorizada por isso.

Ter Ronaldo nunca será um problema, antes pelo contrário. E o facto de estar à beira da centena de golos pela selecção portuguesa é um testemunho disso mesmo – será o segundo jogador a chegar a essa marca em jogos de selecção, depois do iraniano Ali Daei, que marcou 109 golos em 149 jogos. Maior problema será não ter Ronaldo, mas Portugal tem compensado bem a ausência do seu capitão. Pense-se na final do Euro 2016 (Ronaldo saiu lesionado aos 25’), por exemplo, ou na fase de grupos da Liga das Nações em 2019 – Ronaldo só jogou a partir da meia-final. E Portugal conquistou ambas as competições. Desde 2016, Portugal fez 17 jogos sem o CR7 - ganhou nove, empatou seis e perdeu dois (Suíça e Inglaterra).

Para Fernando Santos, ter Cristiano Ronaldo será sempre melhor do que não ter – e o seleccionador fala sempre do “melhor do mundo” sempre que se refere ao capitão. Mas há uma estratégia a cumprir e um objectivo para alcançar que serão sempre iguais jogue quem jogar. “Não trabalhamos para o Cristiano Ronaldo. Trabalhamos todos em conjunto para ganhar e o Ronaldo faz parte da estratégia. Se estiver apto, significa que o melhor do mundo joga na selecção portuguesa. Quando não conta com Ronaldo, Portugal continua a ser uma grande equipa e com qualidade para lutar pela vitória em todos os jogos”, frisou o seleccionador português em conferência de imprensa, ainda antes do treino da tarde em Estocolmo.

Os 15 minutos do treino que foram abertos mostraram um Cristiano Ronaldo a trabalhar, aparentemente, sem qualquer limitação, algo que indicia um regresso ao “onze” português, mas só à hora do jogo é que as dúvidas serão desfeitas. Santos foi cauteloso na hora de avaliar a disponibilidade de CR7 para o confronto com a Suécia. “Só joga se apresentar condições no treino e disponibilidade total. Se isso não acontecer, não entra nas contas da equipa”, frisou.

Se Ronaldo, como tudo indica, subir ao relvado para defrontar a Suécia, terá a oportunidade de chegar aos 100 golos frente a uma selecção que tem sido “cliente” habitual dos seus tiros certeiros. CR7 já marcou por cinco vezes em seis jogos frente aos suecos, dois deles memoráveis para as cores portuguesas. Num play-off de acesso ao Mundial 2014 frente à Suécia de Zlatan Ibrahimovic, Ronaldo marcou todos os golos portugueses no duplo triunfo da selecção então comandada por Paulo Bento por 1-0 (Na Luz) e por 2-3 (em Estocolmo).

Sugerir correcção