França e Croácia repetem resultado da final de Moscovo

Campeões do Mundo não contaram com Pogba nem Mbappé, mas venceram na estreia de Camavinga. Bélgica garante liderança do Grupo 2 com goleada sobre a Islândia.

futebol-internacional,croacia,islandia,dinamarca,belgica,franca,
Foto
Reuters/CHARLES PLATIAU

Sem Pogba nem Mbappé, a cumprirem isolamento em tempo de pandemia, a França repetiu esta terça-feira o resultado (4-2) da final do Mundial da Rússia e impôs a segunda derrota do Grupo 3 da Liga A da Liga das Nações a uma Croácia que chegou a impor respeito no Stade de France, em Paris.

Depois da vitória pela margem mínima na Suécia, a selecção francesa somou novo triunfo reforçando o favoritismo a par dos campeões europeus, com Portugal na liderança do grupo face à diferença de golos.

Mas antes de construir a vitória sobre os croatas, a França - que estreou o jovem Camavinga, de 17 anos e viu Olivier Giroud assinar o 40.º golo e ficar a um de Michel Platini - revelou problemas, passando os 40 minutos iniciais a tentar perceber a metamorfose do adversário que Portugal reduzira a pó no Estádio do Dragão.

A Croácia beneficiou da entrada de Perisic e Brozovic e adiantou-se com um golo do central Lovren (16'). Infelizmente para os vice-campeões do Rússia-2018, Griezmann recuperou a tempo de garantir a titularidade e de assinar o golo do empate, a dois minutos do intervalo... que só chegaria depois de completada a reviravolta, com um auto-golo de Livakovic (45+2').

A Croácia regressou das cabinas determinada a limpar a imagem do primeiro jogo e voltaria a marcar por Brekalo (55'). Seria, contudo, esse o canto do cisne, com o jovem central Upamecano a marcar (65') no segundo jogo ao serviço da selecção, numa altura em que Camavinga e Giroud acabavam de entrar em cena. O golo que faltava para repetir a final de 2018 chegaria de penálti, por Giroud (77').

Bélgica dispara

No Grupo 2, a Bélgica isolou-se no comando, perdendo a companhia dos ingleses que não foram além de um comprometedor nulo em Copenhaga, frente à Dinamarca. Desta feita, os deuses não protegeram a Inglaterra, que na primeira jornada se impusera à Islândia no período de descontos e de penálti.

Sem problemas, a Bélgica aplicou uns expressivos 5-1 aos islandeses, que até saíram na frente, com um golo feliz de Friojonsson (10'), já que ressaltou num adversário e traiu o guardião Koen Casteels, que confiou demasiado no golpe de vista.

Os “diabos vermelhos” respiraram fundo e em menos de 7 minutos já comandavam, com Witsel a igualar (13') e a provocar a defesa incompleta de Kristinsson, aproveitada por Batshuayi (17') para fazer o primeiro da noite. Mertens (50'), Batshuayi (69') e Doku (79') completaram a goleada na segunda parte.

Sugerir correcção