Curta-metragem Salsa, de Igor Dimitri, seleccionada para o Festival de Cinema de Londres

Filme teve estreia mundial em Janeiro no Festival de Roterdão. Com Salsa, o realizador diz ter querido “fazer um musical”.

Foto
Salsa, de Igor Dimitri DR

A curta-metragem Salsa, do realizador português Igor Dimitri, foi seleccionada para a 64.ª edição do Festival de Cinema de Londres, em Inglaterra, integrada na secção oficial do certame, no programa This is the rhythm of my life.

Esta primeira curta-metragem do realizador, de 34 anos, tinha sido estreada em Janeiro, no Festival de Cinema de Roterdão, na Holanda, e retrata uma tarde num espaço de encontro, um salão de cabeleireiros dominicanos em Buenos Aires, onde os moradores do bairro convivem.

“Neste filme propus-me retratar um lugar na Argentina onde a música une os moradores do bairro onde morei, do reggaeton à música electrónica moderna, e onde a dança é a manifestação da liberdade e da alegria de viver”, explicou o Igor Dimitri, através de comunicado.

O jovem realizador português confessou “a ideia clara de querer fazer um musical”, vincando que a “performance permite narrar uma história por meio da linguagem corporal em vez de palavra”. “A performance também é uma forma de expandir o campo da não-ficção, não necessariamente através do documentário, mas mais através das misturas entre género”, acrescentou o autor.

O Festival de Cinema de Londres, que tem raízes desde 1956, é o maior evento cinematográfico público do Reino Unido, promovendo, anualmente, a projecção de mais de 300 obras de vários países, sendo organizado pelo Instituto Britânico de Cinema. Nesta edição, e adaptando-se aos desafios da actualidade, o festival vai exibir 50 estreias virtuais, numa programação que oferece ao público a oportunidade de ver as mais recentes ficções, documentários, animações e filmes clássicos restaurados de arquivos do mundo. Cada filme será apresentado com uma introdução ou perguntas e respostas, e o programa também incluirá uma série de trabalhos e eventos adicionais de acesso gratuito para o público do Reino Unido.

Lusa/fim