Morreu Dito, antigo internacional português e actual director-geral do Gil Vicente

Antigo defesa-central do Sp. Braga, Benfica e FC Porto sentiu-se mal a caminho do estágio, foi assistido pelos médicos do clube, mas faleceu no Hospital de Monção.

Foto
Dito Dito, director-geral gilista, faleceu aos 58 anos

O antigo futebolista internacional português Dito, que desempenhava o cargo de director-geral do Gil Vicente, morreu esta quinta-feira, aos 58 anos, confirmou fonte do clube da I Liga portuguesa.

O dirigente sentiu-se mal quando viajava de automóvel para o estágio que os minhotos estão a realizar até sábado, em Melgaço, no distrito de Viana do Castelo, tendo sido assistido pelos médicos da formação de Barcelos no local e transportado mais tarde para o hospital de Monção, sem que os esforços de reanimação surtissem efeito.

Eduardo José Gomes Camassele Mendez, mais conhecido no futebol por Dito, nasceu em Barcelos a 18 de Janeiro de 1962 e foi internacional em 17 ocasiões pela selecção nacional, tendo juntado passagens por Gil Vicente, Sporting de Braga, Benfica, FC Porto, Vitória de Setúbal, Sporting de Espinho, Torreense e Ovarense, entre 1975 e 1996.

À carreira como defesa-central, abrilhantada pelas conquistas da I Liga e da Taça de Portugal ao serviço das “águias”, na temporada 1986/87, seguiu-se um percurso como treinador no Esposende, Salgueiros, Felgueiras, Chaves, Portimonense, Ribeirão, Moreirense, juniores do Sporting de Braga, Varzim, Famalicão e Sporting da Covilhã.

Na última época, Dito estreou-se em funções directivas e ajudou o Gil Vicente a construir um plantel de raiz para assinalar o regresso à elite, a partir do Campeonato de Portugal, na sequência do “caso Mateus”, na companhia do treinador Vítor Oliveira, responsável pela 10.ª posição, com 43 pontos.

Federação Portuguesa de Futebol, Liga Portuguesa de Futebol Profissional, clubes que Dito representou como atleta e treinador e antigos companheiros ou “discípulos” como o internacional português Deco reagiram já com manifestações e notas de pesar, a título oficial e pessoal, destacando as qualidades humanas de Dito.

“Foi com profundo pesar que soube da partida prematura do Dito, um ex-jogador e dirigente que nos deixa uma grande imagem de fair-play e profissionalismo. O Dito era também um excelente ser humano, que se pautou sempre por valores éticos de enorme respeito”, destaca o comunicado da Liga, subscrito pelo presidente do organismo, Pedro Proença.

Também Fernando Gomes, líder da FPF, assina uma nota sentida no site federativo: “Foi com choque e enorme consternação que tomei conhecimento da morte de Dito. Um homem que deu muito ao futebol português e que ainda tinha muito para dar no exercício das funções que agora desempenhava. Enquanto jogador, deixou a sua marca nos oito clubes que representou e na Selecção Nacional, bem como no trajecto que seguiu sempre ligado ao futebol. Homem discreto e de carácter, deixa um vazio difícil de preencher. À família enlutada, aos amigos e ao Gil Vicente, a Federação Portuguesa de Futebol endereça as mais profundas condolências.”