“Proselitismo” e “Inquisição”. Direita, bispos e um socialista contra aulas de Cidadania

Manifesto pede objecção de consciência para pais e conta com o apoio de Passos Coelho, Cavaco Silva e Sousa Pinto, entre outros. Alguns dos subscritores explicam ao PÚBLICO os seus argumentos.

politica,ministerio-educacao,cidadania,pedro-passos-coelho,cavaco-silva,psd,
Foto
Nuno Ferreira Santos

O que têm em comum o ex-Presidente da República Cavaco Silva, o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, o patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, o bispo de Aveiro, António Moiteiro, os ex-presidentes do CDS Adriano Moreira e Ribeiro e Castro, o deputado socialista Sérgio Sousa Pinto, a ex-ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite e o advogado José Miguel Júdice? Todos eles são signatários do manifesto “em defesa das liberdades de educação”, conhecido esta terça-feira, e que condena a decisão do Ministério da Educação (suspensa pelo Tribunal de Braga) de chumbar de ano os dois irmãos de Vila Nova de Famalicão, que, por opção dos país, faltaram às aulas da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento.