À descoberta do turismo azul do verde Minho

Nem sempre quem procura água vai dar a ela, daí que esta rota pelas zonas de rios e ribeiros alto-minhotos desemboque no milho, em bicicletas e até no Salazar. Seguimos pelas barbas do Lima, do Coura e do Vez.

minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Praia fluvial de Estorãos Paulo Pimenta
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Praia fluvial de Estorãos Paulo Pimenta
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Nelson Garrido
minho,ponte-lima,fugas,paredes-coura,turismo,ambiente,
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Bicicleta
Fotogaleria
Nelson Garrido
Bicicleta
Fotogaleria
Nelson Garrido
Bicicleta
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Há uns anos, quando Paulo Moninhas não tinha filhos, tudo era bom. “Vinha por aí afora, com uma tenda, e dormia onde calhasse.” Foi numa dessas viagens, de jovem livre, que descobriu a praia de Estorãos. Era muito diferente. Os choupos ao fundo, onde agora cinco pessoas se regalam com uma sesta, ainda eram pequenos. A praia não era mais do que uma passagem do rio, com uma azenha a funcionar junto à ponte romana, e não havia café a 50 metros. Na azenha, a poucos quilómetros de Ponte de Lima, entrava milho e centeio. Agora, entram pessoas de fora; é uma casa de turismo rural. E o rio ganhou uma margem cimentada onde a família de Moninhas, que aqui vem em romaria da Póvoa de Varzim há mais de 20 anos, pela altura da Páscoa, se senta de pés na água a comer e a conversar. “A água do mar tem estado muito mais fria. E lá [na Póvoa] há muita confusão”, diz Paulo, que vive hoje (final de Junho) a primeira grande reunião familiar desde Março, mês em que nos fechámos.