Grécia, França, Itália e Chipre fazem exercícios no Mediterrâneo Oriental

Presidente da Turquia diz que está pronto a “fazer o que for necessário” para garantir os direitos do seu país nestas águas. Em causa estão explorações de gás natural.

Foto
O exercício naval pretende marcar a presença grega e dos seus aliados perante a Turquia LUSA/Greek National Defense Ministry / HANDOUT

Grécia, França, Itália e Chipre iniciam nesta quarta-feira um exercício militar conjunto a sul da ilha de Creta, no Mediterrâneo oriental, que se prolonga até sexta-feira, no contexto de uma disputa entre a Grécia e a Turquia em torno em fronteiras marítimas e direitos de prospecção ‘offshore’ de gás natural.

“Não vamos fazer compromissos sobre o que nos pertencem. Estamos determinados a fazer o que for preciso,” disse Erdogan. 

França aumentou a sua presença militar no Mediterrâneo oriental, colocando-se do lado da Grécia, e o Presidente Emmanuel Macron apelou ao seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, para que trave a exploração de gás natural e petróleo em águas disputadas com a Grécia.

“O Mediterrâneo Oriental transforma-se num espaço de tensões. O respeito pelo direito internacional deve ser a regra e não a excepção. Com os nossos parceiros cipriotas, gregos e italianos, iniciamos um exercício militar com meios militares, aéreos e marítimos”, anunciou no Twitter a ministra da Defesa francesa, Florence Parly. 

Um navio de prospecção turco Oruc Reis está na zona disputada, escoltado pela Marinha de Guerra de Ancara, o que desencadeou a tensão. A Grécia sustenta que o navio turco se encontra na placa continental grega, onde tem os direitos exclusivos de potenciais depósitos e gás e petróleo, pelo que optou por enviar vasos de guerra para a área.

A Turquia está também a efectuar prospecções em águas que Chipre reclama como suas.