Responder e recomeçar

Na Galeria Balcony, em Lisboa, um colectivo de artistas responde aos tempos que estamos a viver.

picasso,arte-contemporanea,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
A série em que Carla Cabanas mostra imagens do seu arquivo familiar, modificadas por uma técnica de restauração japonesa de peças de cerâmica
picasso,arte-contemporanea,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria

Devem os artistas responder, com as suas obras, ao que está a acontecer? Ou, qualquer que seja a sua relação com o mundo, fá-lo-ão sempre? Certamente que, contra a História, haverá quem trace distinções. Por exemplo, entre Bertolt Brecht e Stefan Zweig, ou entre Picasso e Matisse. Uns responderam, outros não, embora seja pouco proveitoso buscar uma coerência perfeita na diversidade das condutas e acções humanas. Seja como for, a incerteza inédita em que vivemos fornece um topos (psicológico, existencial, físico, político) ao qual os artistas dificilmente escapam. O ineditismo provém dessa ubiquidade simultânea e imprime uma série de efeitos que alteram os significados daquilo que é público, privado, íntimo, ameaçando reconfigurar o próprio sentido da prática artística e da actividade daqueles que a acompanham.